Arquivos Mensais: dezembro 2014

Tião Lucena e “O que me restou do silêncio…”

eu e os escritores Sebastião Lucena, Paulo Mariano e José Mota Vitor no lançamento de "O que me restou do silêncio..."

“ureia” de Tião Lucena para o “Que me restou do silêncio…”.  1berto de Almeida é um privilegiado. Ainda jovem, na flor da idade, já conseguiu ser tudo o que um homem desejaria ser. Jogador de Futebol dos bons, formado nas categorias de Jaguaribe e com passagem gloriosa pelo Palmeiras do Geisel, não se profissionalizou porque não aguentou conviver com os ... Leia Mais »

O poeta Políbio Alves e “O que me restou do silêncio…”

o poeta políbio alves

Agora com o fim do primeiro ato, o lançamento de o “O que restou do silêncio…”, na última sexta-feira, aos  ainda que não adquiriram um exemplar das histórias deste Malabarista de Palavras e não “vendedor de livros”, ressalto, mas apenas um Malabarista de Palavras, tenho repetido e repetido e repetido, posso “apresentar uma das apresentações” (sic) do Capa Dura escrita ... Leia Mais »

Por onde andavam Políbio Alves e Aldo Lopes nessa noite ?

eu,  o poeta políbio e o escritor aldo  lopes

DOIS REGISTROS: Infelizmente o amigo e autor de O Dia dos Cachorros e A dançarina e o coronel, Aldo Lopes de Araújo, esse princesence que escreve como poucos nestas e outras plagas,  estando em plagas outras metido em construções, onde ainda  agora se encontra, não pode me dar a alegria de dividir com ele o meu silêncio na última sexta-feira. ... Leia Mais »

Um minuto de silêncio para celebração da amizade!

1berto, morena, marta gil e sérgio gallo  e amigos : uma banda!

Pronto! O silêncio se foi! Tudo o que me restou do silêncio foram os amigos que nessa sexta-feira dividiram esse silêncio comigo. Os presentes e ausentes! Uma festa! Se Paris foi – continua, continua – uma festa pra o Hemingway, essa noite foi somente festa pra este Malabarista e Palavras. O discurso foi breve. Em síntese, foi esse aí: o ... Leia Mais »

Ecos nada silênciosos da festa no Sesc!

eu autografai otima

O movimento foi maior do que eu estava esperando. Acreditem. Eu queria nesse momento que o meu silêncio recebesse falta. Por quê? Ora, porque estava muito afim – nunca esquecer que estar afim é sempre um começo – de ouvir as nossas as parcerias, Gil de rosa, Marta e minhas desfilando pelos meus ouvidos com uma “roupa nova”.  Se ouvi? ... Leia Mais »

O eco nas palavras do que me restou do silêncio…

o malabarista de palavras dividindo o  silencio escrito...

Se compensou? Ora, tá tudo aí! Nem é pelo fato de haver “estreado” no famoso “mundo da literatura”! Eu preocupado com isso ?! Nunca! Tanto que no breve discurso deste malabarista de palavras na noite de lançamento dividi com todos os presentes e ausentes a responsabilidade do meu primeiro “capa dura”. E foi verdade! Não fossem eles, acreditem, o  “Capa ... Leia Mais »