Arquivos Mensais: maio 2016

NEM ASSIM…

Sérgio Sampaio morreu no rio de janeiro em 1984. Mudou-se desta para melhor – se existe mesmo outra nenhuma dúvida tenho de que é melhor do que esta – com apenas 47 anos de idade. Trocou de roupa.  Ouvi muito Sérgio Sampaio na minha juventude. Muito.  Sempre gostei de sua voz aguda. Era diferente das muitas vozes agudas que ouvia. ... Leia Mais »

TODO DIA É DIA DE VIVER!

um dia

Acabo de chegar a minha ilha cercada de livros, filmes e discos. Tive  que dela sair.  Ver como estava à vista. Fui.  A vista paguei. A prazo seria mais caro. Duraria mais o sofrimento. Ver. Tudo ver e não calar. Pois assim nada muda. Não calo. Não fico mudo.  Voltei.  Vendo melhor. Sou não vendo a vista. Nem a honra. ... Leia Mais »

Dou a mão à palmatória de água!

mão na chuva

As chuvas ainda não cessaram. Por aqui.  Mas resta pairando no céu um manto úmido de nuvens pesadas. Água. Muita.  Tenho-me aqui sobre a cama. Tenho os pés gelados – esse ar condicionado ainda me mata! – embora os mantenham enrolados em uma fina colcha que me acompanha em minhas noites insones.  Os ruídos me chegam pelos braços do ar. ... Leia Mais »

Sérgio de Castro Pinto x Luis Lisboa: poetas! o leitor sou eu!

Sergio-de-castro-pinto

Não diria que esse poeta, o Luis Lisboa, tivesse muito do nosso poeta Zé Limeira. O Poeta do Absurdo. Tão lembrados? É Aquele mesmo de “O velho Tomé de Souza, Governador da Bahia…”.   Mas, se o Zé Limeira existiu de verdade, como poucos asseguram por aqui, guardadas as proporções, um mais terra e outro somente céu, teria muito em comum ... Leia Mais »

De memória: O escatológico Gonzaguinha

Gonzaguinha-Claudio-Duarte_thumb27

Estava n’O Momento do saudoso Jório Machado.  Acabava de “descer” a matéria da minha coluna.  “Coisas do Momento”. Era o seu nome.  A tarde caía.  As pessoas passavam pela “televisão da janela” do prédio do jornal. De repente, assim mais que de repente, lembrando o poeta, lembrei  do Gonzaguinha.  Estava “passando o som” para o show da noite. Naquele exato ... Leia Mais »

memória: ela não era réu,mas confessou: sou o maior sapatão do mundo!

angelaroro1

Lembro-me da Ângela Ro Ro passeando por essas plagas e embriagando-se, todos os dias de uísque para não morrer de tédio. Não saía daquela pracinha sem graça de Tambaú. Um dia, num daqueles momentos de reflexão, não suportando mais  barra, confessou: -“Eu calço apenas 36, mas sou o maior sapatão do mundo!”. Não disse  ” eu com menos”  por dois ... Leia Mais »

CAUBY! CAUBY! CAUBY!

conheci ambos. não tenho ídolos. mas, se ídolo eu tivesse, esses seriam dois dos maiores ídolos meus. lugar comum? tudo bem: ele: cada vez mais pobres não, empobrecemos de vez. cauby, assim como roberto carlos, não tenho como negar, era o nosso último grande idolo. emílo? “depois de mim”, costumava dizer o “criador” de conceição,” o emílio é o maior ... Leia Mais »