5G: no futuro, tecnologia será tão necessária quanto a eletricidade

5G: no futuro, tecnologia será tão necessária quanto a eletricidade

Previsão é de Andrus Ansip, vice-presidente da Comissão Europeia e chefe da pasta Mercado Único Digital

O vice-presidente da Comissão Europeia Andrus Ansip previu hoje (5) que, no futuro, a infraestrutura móvel de quinta geração (5G) seja tão necessária como a eletricidade, já que esta rede, mais rápida e potente, abrangerá toda “a vida real”.

“Quando não há eletricidade, enfrentamos sérios problemas. Se, no futuro, não houver 5G, não haverá eletricidade, não haverá gás, não haverá vida, estaremos a voltar atrás na história”, salientou o responsável pelo executivo comunitário para a área do Mercado Único Digital em entrevista à agência Lusa, em Bruxelas.

Assumido como uma aposta da Comissão Europeia em 2016, altura em que foi criado um plano de ação, o 5G será, segundo Andrus Ansip, “necessário para tudo e todos”.

“Não só a indústria europeia vai precisar de 5G […], como todas as partes da vida real. Os hospitais, os bancos, toda a vida vai depender do 5G”, precisou.

O 5G é a quinta geração de rede móvel e vem suceder ao 4G. Nesta nova tecnologia móvel haverá mais velocidade, maior cobertura e mais recursos.

Além de ser aplicado às comunicações móveis, o 5G será ainda crucial para áreas do cotidiano, mas também para potencializar outros avanços tecnológicos, nomeadamente nos carros autônomos.

Isto porque a potência desta rede de quinta geração vai além da rapidez nos ‘uploads’ e ‘downloads’ e assenta, sobretudo, na redução da latência, ou seja, do tempo de resposta de um aparelho a partir do momento em que recebe a ordem até a executar.

Quanto menor for a latência, mais rápida é a reação de um aparelho acionado à distância.

Isto aplica-se aos eletrodomésticos e a outros aparelhos, incluindo os que estão ligados à internet, que passarão a ser mais eficientes, nas áreas do entretenimento, agricultura, indústria, saúde, energia e na realidade virtual.

“O 5G não se centra só numa velocidade 10 vezes superior e num consumo 10 vezes inferior, mas sim no aumento exponencial da informação. O 5G significa também o fim da latência e isso é muito melhor [porque] permite usar o 5G em qualquer área, como nas dos carros autônomos”, adiantou Andrus Ansip.

O responsável notou que, tal como estava previsto em 2016, um dos objetivos de Bruxelas continua a ser o de “as redes 5G atingirem, pelo menos, 100 Mbps [megabyte] por segundo, quer sejam zonas rurais ou urbanas” da União Europeia (UE).

“Os operadores têm de comercializar redes 5G em pelo menos uma grande cidade por país até 2020 e fazê-lo de forma abrangente até 2025″, referiu o vice-presidente da Comissão Europeia.

Ao todo, será necessário “um investimento de cinco mil milhões de euros” nesta tecnologia nos próximos anos, estimou Andrus Ansip, tendo em conta a aposta do setor privado, como também as verbas comunitárias alocadas.

Sobre estes últimos fundos, o responsável admitiu ser difícil quantificar, já que são aplicados em várias áreas, como a investigação, a inovação e, sobretudo, a cibersegurança, setor sobre o qual a UE tem estado em alerta devido às suspeitas de espionagem que recaem sobre os dispositivos da fabricante chinesa Huawei.

O programa digital europeu, lançado em meados do ano passado, apontava uma verba de cerca de dois mil milhões de euros para a cibersegurança nos Estados-membros.

Andrus Ansip adiantou à Lusa que o 5G é, “definitivamente, uma prioridade” de Bruxelas, razão pela qual o executivo comunitário tem feito e vai continuar a fazer “investimentos em quantias notáveis”.

 

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


1 + = quatro

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>