A “cornice” também pode ser cultura ou cultura demais também é uma merda!

A “cornice” também pode ser cultura ou cultura demais também é uma merda!

Vez em quando mergulho nas histórias de Grécia antiga. Mitologia Grega. Nessa eu me refestelo. Também confesso que algumas vezes chego a acreditar mais nas coisas que eles inventam,do que mesmo nas outras que hoje a história (nem precisava ser tão cruel) nos revelou serem verdadeiras.

 Aqui na minha doce (incrível, nem aí) e forçada (meu bem, meu mal) quarentena, como falei aí em cima, me refestelo nesta  minha ilha cercada de livros, filmes e discos por todos os lados. Acreditem mesmo: essa quarentena, não fosse o sacana do Corona, livre e espontaneamente, seria ótima que acontecesse de quarenta e quarenta dias (risos).

 Agora mesmo, tudo nessa cabeça em estado de (r) evolução, lembrando  o livro  do Robert Graves (O grande livro  dos mitos gregos) que era  grande mesmo,  dois volumes,  o Hércules que vi no Cine Santo Antonio  e fez com que eu o agarrasse por um bom tempo, Hércules não, o livro,  estava pensando em contar nos seus detalhes a história do Cavalo que Ulysses inventou para enganar uns muitos burros e enganou. Estava.  Mas o Anfitrião, o corno manso da história grega, pediu-me a vez e , em paz com a minha quarentena, querendo tão somente  paz e saúde e nada mais, a vez por ele pedida foi concedid . A história é curtinha e gostosa de ler. Leiam e se refestelem (Tô gostando muito do “refestelar-se”. A  “Emponderar”? Não suporto!)

 Anfitrião.

 anfitrião

Na mitologia grega, Anfitrião era marido de Alcmena, a mãe de Hércules. Enquanto Anfitrião estava na guerra de Tebas, Zeus tomou a sua forma para deitar-se com Alcmena, e Hermes tomou a forma de seu escravo, sósia, para montar guarda no portão.Uma grande confusão foi criada, pois evidentemente, Anfitriã duvidou da fidelidade da esposa. No fim, tudo foi esclarecido por Zeus, e Anfitrião ficou contente por ser marido de uma mulher escolhida do deus. Daquela noite de amor nasceu o semideus Hércules. A partir daí, o termo anfitrião passou a ter o sentido de “aquele que recebe em casa”. Portanto, ANFITRIÃO é sinônimo de: CORNO MANSO E FELIZ!

CONCLUSÃO: CULTURA DEMAIS É UMA MERDA!

Em tempo: vez em quando me deparo com uma besteirinha gostosa neste espaço intérnético.  sem dúvidas. duvido que exista um povo mais criativo que esse nosso sofrido povo verde-amarelo. mesmo numa quarentena forçada dessa ele ainda é capaz de sair por aí sorrindo dele e das coisas que neste espaço encontra. trocando em miúdos, ficando com o disco do pixinguinha sim e devolvendo o neruda que vocês me tomou, somos mesmos um povo que sofre, mas goza.

volto a minha senhora quarentena. e tem mais: não aguento mais o naro louco nem esse corona que para mim, não passa de um vírus!

 

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


− cinco = 3

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>