A mandioca de Dilma na voz do bom Raimundo Sodré!

 A culpa da lembrança não foi ele. Ele nunca foi culpado. A culpa –  pelo menos agora – eu boto na presidente Dilma. Foi ela com a sua homenagem a Mandioca que me trouxe a lembrança. Em tempos outros,  anos 80, era ele, o meu pai, o Compadre Heráclito, quem perguntava  ao menino ainda quase Jaguaribe: por que o guarda civil não quer a roupa no quarador (ou quaradouro)? O guarda civil pode proibir que se estenda roupa no quarador? Que poder era esse do guarda civil ? Eram muitas as perguntas. Eu? Não respondia uma só! Também não sabia.  Estive com Raimundo Sodré uma vez apenas.  E sem a lembrança naquele momento não  fiz as perguntas que o meu velho pai me fizera naquele dia. Ele saberia responder? Não sei. Talvez. Só gostaria de lembrar  que gostava daqueles versos que diziam  “A dor da gente é dor de menino acanhado /Menino-bezerro pisado no curral do mundo a penar…”. Agora a presidente Dilma lembra a “mandioca”. Achei massa.  Raimundo Sodré também. Acredito. Ah, gostei da chula e do samba de roda. Uma novidade naquele festival.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


3 + sete =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>