Arrrigo e maestros amigos e este escriba

Arrrigo e maestros amigos e este escriba

NESSE DIA ARRIGO BARNABÉ desfilou somente dor de cotovelo. Soltou a voz rouca a la Louis Armstrong. A ironia veio como marca registrada. Arrigo era só ironia.  Show do começo ao fim. O papo no camarim improvisado do Ponto de Cem Réis foi somente sorrisos e confraternização.   Aproveitamos para resgatar velhas e melódicas lembranças. 

A cerveja na mão e a gravata vermelha no pescoço. A imagem ficou.  Um clima de “cantor de cabaré”. E assim ficou o  tempo todo. Uma foto? Sem gravata não dava! Correu e foi pegar a dita cuja. Fazia parte do cenário.  Tudo bem agora! Vamos registrar!  E assim foi feito. 

Lembrei então o seu “Clara Crocodilo”, e o grito emocionado de Caetano Veloso saudando o novo ídolo:”E viva Arrigo Barnabé!”. Caetano é um maluco, disse-me sorrindo.  Estava admirado. Não esperava que alguém por aqui lembrasse a história. Lembrei. 

Caixa de Ódio.   Lupicínio Rodrigues na Caixa. Arrigo e companheiros são excelentes músicos. Arrigo Barnabé (voz), Paulo Braga (piano) e Sergio Espíndola (violão e baixo). Todos simples e geniais.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


6 × seis =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>