Arquivos do Autor: Humberto

O gato homem de quatro vidas!

atropelamento-chines

Um homem nasceu de novo, no mínimo, três vezes na China. Ao tentar atravessar uma via, o pedestre foi atropelado por três veículos e incrivelmente sobreviveu. Câmeras de segurança na China flagraram o momento em que um homem é atropelado por três carros enquanto tentava cruzar uma via movimentada. Apesar da gravidade do incidente, o pedestre conseguiu sobreviver. Identificado como ... Leia Mais »

A família do Amarildo foi indenizada ? Então não se fala mais nisso!

o negro desaparecido da família indenizada

A história é difícil de esquecer. Mas bem que poderia ter sido lembrada nesse festejado Dia da Consciência Negra. Há um ano, o pedreiro negro Amarildo Dias foi arrancado de sua casa, torturado e morto pela polícia “pacificadora” carioca. Atentem para o fato: “Pacificadora” Seu corpo continua desaparecido. Agora, passado todo esse tempo, finalmente, a justiça que sempre tarda e ... Leia Mais »

tudo o que me restou do silêncio: o silêncio!

capa do que me

Não queria “errar no bronze”. Não pretendo. Não quero. Mas o meu amigo e parceiro e irmão Gil de Rosa, por muito tempo pedindo para este escriba juntar as suas coisas e publicar num só “capa dura”, resolvi, então, editar  “O que me restou do silêncio…”, o primeiro e talvez o último, a ser lançando na próxima sexta-feira, dia 28, ... Leia Mais »

Tudo começou em Jaguaribe…

jaguaribe um  foto feira

 Quando eu nasci um anjo morto – ou quase – desses que andam por aí ensaiando novos voos, deve ter dito para este escriba: “vai, 1berto, morrer de saudades do teu bairro pela vida!”. Foi profético como devem ser todos os anjos! Sabia esse sujeito alado que o meu bairro Jaguaribe não demoraria muito em virar apenas uma fotografia desbotada ... Leia Mais »

Viva a Repúbica Independente de Jaguaribe!

jaguaribe praça dos motoristas

 A Escola Técnica, velha Industrial, meu sonho de “consumo estudantil”; o Campo da Vila, antigo ABC, onde ensaiei os primeiros chutes a gol. Fiz muitos. Se não fiz 1000, como hoje é moda, os poucos que fiz valeram por milhões… Como esquecer as antológicas peladas entre as equipes do Cu de Calango – o dicionário insiste que eu troque o ... Leia Mais »

Meu Jaguaribe meu…

JAGUARIBE ANOS OITENTA

A Mata do Buraquinho parecia estar, assim como a Felicidade do Lupicínio Rodrigues, pra lá do fim do mundo. Um dia ouvi o meu amigo Livardo Alves chamá-la de “minha casa”. Uma mata de um só dono, de um negro alto e esguio chamado João Dantas! Se não foi casa minha, foi o meu desconhecido, caverna escura e fria onde ... Leia Mais »