Arquivos do Autor: Humberto

Nunca fui de jogar flores no mar nem perfume para Iemanjá

iemanjá 1berto picasa

Ontem, segunda-feira, dia 08 de dezembro, foi dia de homenagear Iemanjá. Nos tempos do babalorixá Carlos leal Rodrigues, aquele que tinha a voz sinônimo de Umbanda, ele dizia que Umbanda “era fé, era paz, era  união e elevação”. Ouvia aquela voz e imaginava um Pai de Santo cercado de filhas e  filhos de santo por todos. Também ouvia o Carlos ... Leia Mais »

A Morena não atirou flores para Iemanjá

iemanjá dois morena picasa

Um dia, lembro-me bem, a Morena que não estava enfeitada de rosas e rendas não dançou nem pediu para dançar no dia de Iemanjá.  Mas senti que dançava na beira do mar num dia outro de 08 de dezembro. Sorri muito nesse dia. Iemanjá,  lá do alto,  também sorriu. Mais que isso: gargalhava de alegria! Iemanjá tem muitos filhos e ... Leia Mais »

Os restos do meu silêncio na LIVRARIA DO LUIZ

eu autografai otima

Só para não dizer que me esqueci de “O que me restou do silêncio…“, aviso aos meus dois leitores, especialmente esse que ainda não espalhou o seu – dele – olhar pelo resto do silêncio meu espalhado por aí, que o referido se  encontra a sua – dele, desse leitor – disposição na LIVRARIA DO LUIZ, aquela mesma que fica ... Leia Mais »

Tirem essa “pedra” feia do caminho do Ponto de Cem Réis!

ponto de cem reis respiradouro

Nunca entendi o porquê de terem deixado esse “bueiro” aí no Ponto de Cem Réis enfeando mais ainda o que um dia achei bonito. Um Ponto em que Livardo Alves  estátua de bronze está quase abandonado. Uns dizem ser um “respiradouro”; outros que serve para essa coisa apelidada de “viaduto” ficar mais iluminada. Sei não. Mas essa coisa chamada viaduto ... Leia Mais »

Um joão do vale cheio de pedreiras no caminho…

joão do vale

Foi no Projeto Pixinguinha, ali no Teatro Santa Roza, esse Rosa com Z,  em anos distantes que encontrei pela terceira vez (uma foi no Recife e a outra, por acaso, em Fortaleza) o compositor de pérolas como Carcará, Peba na Pimenta, Pisa na Fulô e outros clássicos,  que,  apressado, trocou de Roupa e foi morar noutra cidade com apenas 62 ... Leia Mais »

Raimundo Sodré acabou se perdendo na massa..

raimundo sodré

Dia desses Raimundo Sodré, aquele da “massa da mandioca, mãe”, esteve por aqui para ganhar uns trocadinhos. Faz um bom tempo. Ah, faz! Naquela oportunidade só fui vê-lo porque, sem saco para ver a cada semana um novo CD de um artista paraibano que promete ser um novo Chico César, também esse mesmo saco não tinha – nem tenho ainda ... Leia Mais »