BRECHA” E “BRECHT” TODOS SÃO DA ESCOLINHA

BRECHA” E “BRECHT” TODOS SÃO DA ESCOLINHA

Ao discursar em defesa dos aliados, André Lazaroni (PMDB) se atrapalhou e citou Bertoldo Brecha, personagem de Mário Tupinambá na “Escolinha do Professor Raimundo”

Gafes e confusões marcaram a sessão da Assembleia Legislativa do Rio que libertou os deputados presos na Operação Cadeia Velha.

O deputado André Lazaroni (PMDB) foi protagonista de um momento de humor involuntário na tribuna. Ao discursar em defesa dos aliados, ele se atrapalhou e citou Bertoldo Brecha, personagem de Mário Tupinambá na “Escolinha do Professor Raimundo”.

A intenção do deputado era citar uma frase famosa do dramaturgo alemão Bertolt Brecht (1898-1956): “Ai do povo que precisa de heróis”. Ele foi corrigido pelo deputado Marcelo Freixo (PSOL).

Lazaroni é secretário de Cultura do governo Luiz Fernando Pezão (PMDB). Ele se licenciou do cargo para votar a favor dos peemedebistas Jorge Picciani, Paulo Melo e Edson Albertassi.Mais cedo, as gargalhadas ecoaram na Comissão de Constituição e Justiça. Contrariando a expectativa geral, o deputado Rafael Picciani (PMDB), filho do presidente da Assembleia, defendeu que a votação fosse aberta.

O deputado Chiquinho da Mangueira (Podemos) não escondeu a surpresa. “Aberta?”, perguntou. “É, aberta”, respondeu o caçula de Picciani, constrangido.

No plenário, a sessão mais importante da história recente da Assembleia foi comandada por um ex-jurado do “Show de Calouros”.

O deputado Wagner Montes (PRB), vice-presidente da Casa, ocupou o trono de Picciani. Ele ficou famoso na década de 1980 ao contracenar com Pedro de Lara, Sérgio Mallandro e Elke Maravilha no júri de Sílvio Santos.

Hoje comanda um programa policial na TV Record, no qual repete bordões como “Escracha!” e “Bandido bom é bandido morto”.

Aliado do prefeito do Rio, Marcelo Crivella (PRB), Montes votou a favor da prisão dos deputados do PMDB. Ele estava no Paraguai e voltou às pressas para a votação.

Apesar do clima de tensão no lado de fora do Palácio Tiradentes, onde a PM atirou bombas de efeito moral contra manifestantes, a sessão foi relativamente calma.

Houve um princípio de tumulto no plenário quando deputados da oposição reclamaram da segurança da Casa, que barrava a entrada de uma oficial de Justiça.

A funcionária foi liberada e entregou uma liminar que determinava a abertura das galerias. No entanto, os aliados de Picciani lotaram o local de assessores para não dar espaço a manifestantes.

Mais tarde, deputados da oposição lamentaram o fato de Rafael Picciani ter se declarado impedido. Sem ele, o número de votos pela libertação dos presos ficou em 39, o que frustrou a piada pronta dos “40 ladrões”.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


× um = 1

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>