Deixemos de coisa e cuidemos da vida!

Deixemos de coisa e cuidemos da vida!

Hoje estou assim. Pensando assim. Sempre estive. Hoje, porém, mais do que ontem. E se pensei demais, nem por isso  estou penso.  Ando penso. Não ando puxando para um lado. Nem esquerdo nem direito. Ereto. Ando. E se olho para cima, olho sempre para os Andes. Fito. Mas não é assim que decido levar a vida daqui pra frente. Sem pensar? Nada disso. Pensando e levando a vida de forma que não me deixe ser levada por ela.

Não sou o tipo de achar que deve entregar tudo ao destino. Não acredito em destino. Eu faço o meu.  Fazemos.  Se eu tivesse um destino seria o mastim que mantenho amarrado no meu quintal durante o dia e solto somente a noite. Não para vigiar, mas para poder olhar o céu em liberdade. Assistir ao nascer do sol sem precisar se esforçar para pegar o restinho de raios que acordam preguiçosos e aos poucos vão virando somente luz.

Decidi. A minha vida não me levará nunca. Nunca. Quem me levará sou eu. Sempre. Ora, preocupação com o amanhã? Nenhuma. Que ele venha como sempre veio. Ninguém força o nascer de uma manhã. Se isso acontecer não será um nascer, mas um aborto. Uma manhã abortada. Portanto que venham as novas manhãs sem medo e sem censura. Não vou temê-las.  Nunca as temi. Deixemos de coisa. Vamos. A vida nos pede para cuidar dela. Cuidemos. Eu cuido da minha.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Um comentário

  1. Parabéns, por está sempre vivendo no presente, fazendo sempre o seu destino, não importa se o seu momento é de dificuldades ou de alegrias. Um homem que anda pisando no chão, e não tem a pretensão de andar nas nuvens.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


2 × = dezoito

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>