DEPOIS DA MORTE

DEPOIS DA MORTE

Por Anco Márcio – em 15/03/2011 às 19h43

 

Aos sessenta e seis anos, teoricamente, estou mais perto da morte que meu neto que só tem cinco. Correto? Pra mim, sim. Tanto que ultimamente tenho pensado mais na morte do que quando eu tinha vinte , trinta quarenta anos, quando parece que eu achava que a vida seria eterna.

De doença trago apenas, um hipotireoidismo que me fez engordar um pouco, dormir menos e comer mais. Nada, pelo menos que eu saiba, de grave, no coração, ou em outro órgão vital.Seria ótimo morrer com saúde, sem a degeneração de nenhum órgão.Simplesmente, completar seu ciclo e morrer.Com uma data certa.Pronto.Todo mundo viveria cem anos e morreria.

O tempo passa e começo a notar que vou sentir saudade da vida. Eu simplesmente, como qualquer pessoa normal, não sei o que me espera depois da morte.Ficarei com uma segunda vida e com consciência de que estou vivo…?Terei de me alimentar, trabalhar, terei amigos, filhos as mesmas coisas daqui?Mas em sendo assim não haveria necessidade da morte.

Não acredito que haja céu e inferno, com um céu todo azulado, anjinhos voando pra lá e pra cá, uns mais velhos tocando harpas e todo mundo numa ociosidade de fazer gosto. No inferno, pelo contrário, aquele calor, aqueles cães horrendos a nos furar com seus espetos envenenados.

Se houver inferno, eu quero ir pro inferno do Brasil, onde o cão que dá as espetadas assina o ponto e cai fora, o que dá as chicotadas só vive de licença e o que dá beliscões fica somente fingindo, se você der uma grana pra ele no final de cada mês, o famoso “imfernosalão”…

A Morte quase nunca manda recado. Por exemplo, eu que moro só, posso morrer durante o sono(o que seria uma boa) e meus vizinhos vendo chegarem as dez , onze horas e vendo a casa ainda fechada, a empregada tendo chegado e batido muito e sem que ninguém abrisse, seria chamada a polícia.

E aí sairia nos jornais, o caso do cadáver que acordou morto, essa balburdia que sempre provoca nesse tipo de caso. Não tenho a menor ideia de quando vou morrer, mas penso na morte,Levarei saudades dessa vida ingrata, mas tão boa….Ah, os mistérios da morte.Se alguém os conhecer manda um email pra mim, clicando lá em cima em “contato”.Até amanhã, se vivo eu estiver…

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


nove − 2 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>