E aí, papai, qual foi o momento mais difícil ?

E aí, papai, qual foi o momento mais difícil ?

- Qual foi o momento mais difícil, papai?

Paro. Penso. Depois começo a pensar de novo. Repensar. Não fico naquela de procurar a melhor resposta. Não tenho.  Tudo sai como aquela água represada depois de séculos ao sentir que a comporta está aberta.

O momento mais difícil Pausa. Bem que poderia responder “todos”. Não existe nada fácil nessa caminhada, É algo como o ressuscitar para uma nova vida. Os olhos se abrem e as imagens que eles captam nesse momento nada tem a ver com aquelas antigas. Essas velhas. Desbotadas. O coração? Ah, isso é com ele. Não se tem sobre os mesmo quaisquer domínios.

- Corre!

Um grito se perde no tumultuado ambiente de um corredor onde o sofrimento caminha sem muita pressa.

-  Corre!

O segundo grito é mais forte. Os ouvidos captam os gritos. Os olhos, mesmos abertos, nada veem. Não tem aquela de “estou vendo uma luz no fim do túnel! ”.  Não existe luz. Muito menos túnel. Uma prova eu tive: se existe mesmo uma luz, esses olhos meus ainda estavam muito distantes dela. Nada se vê.  Muita luz! Ver-se. Essa, porém, não vem lá do fim do mundo. Não vem daquela outra cidade onde um dia nela todos iremos morar.

 Não escuto mais gritos. Um teste. Penso em fazer? Qual o teu – no caso, o meu – número do CPF? Luis de Camões morreu neste mês de junho. Dia e ano? Dia 10 de 1580!  Os Lusíadas? Ora, 1572!  Tudo estava bem. A memória não se foi.  Dos mares, qual aquele que gosto mais? Brinco O Ártico. Por quê? Ora, porque dos mares o menor! Estava vivo! O bom humor denunciava o fato!

Tudo isso passa pela minha cabeça antes mesmo de escutar o movimento das rodinhas me levando para um lugar mais frio. Faz frio. Um dia um negro baiano profetizou que morrer deve ser tão frio quanto na hora do parto.

Sei não. Era tanta alegria quanto este rebento despontou na rua 12 de Outubro do seu bairro Jaguaribe! Tanta!  Que mesmo sentindo um frio que não sabia de onde vinha, nesse momento, acho que o parto meu nada teve de frio. Morrer deve ser muito frio…Mas não tive tempo para sentir a temperatura da aproximação da “indesejada das gentes”.

E aí, papai,  qual  foi o momento mais difícil ?   

Não soube responder. Difícil é viver sabendo que a vida não passa de um rasgo que sangra

 Na história da humanidade. Se foi difícil chegar até aqui? Mais difícil, minha filha, foi – e está sendo – a caminhada. Caminho. Não sei até quando. Só uma certeza, porém, me acompanha nesse caminhar:  sobrevivi! Sou, afinal, como diziam aqueles que estavam ao meu lado, um abençoado por Deus. O meu.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


× 3 = vinte quatro

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>