e lá se foi mais um artista Franco..

e lá se foi mais um artista Franco..

Gil de Rosa, irmão e parceiro de muitas décadas, hoje, finalzinho da manhã, zapeia-me lá de são Paulo, onde foi espalhar o olhar nesses vinte dias, para saber se este MB estava sabendo de mais essa baixa desse que foi um dos nossos melhores “marginais”. Sabia, zapeando, respondi-lhe, os meus dois leitores são bons repórteres.

- E ai, 1berto, vais falar alguma coisa a respeito dessa partida?

Essa veio de um desses dois citados no primeiro parágrafo destas mal-traçadas. Não, respondi, assim como não posso agora nem quero ir para casa dançar um tango argentino, acrescentei, só me resta sacar o seu – dele – “revolver” lá do fundo do baú, e disparar em direção a esses ouvidos abertos para a vida e o som… da vida!

O interessante é que a lembrança maior desse excelente – nenhuma dúvida – artista que acabou de trocar de roupa e se mudar para outra canalhascidade, se resume no seu “grito primal” de “Canalhas”, naquele distante festival. Infelizmente. Mas Walter Franco vai além. É uma nota fora do lugar comum da música popular brasileira. Walter foi o caminho de muitos que ainda estão por aqui, e de outros que já se mudaram para outra cidade.

E viva Walter Franco!

E viva Arrigo Barnabé!

afinal, aqui, ali ou na serra do luar, viver será sempre afinar um instrumento de dentro para fora e de fora para dentro!

 

Em tempo: são poucos os que sabem, mas em 1968, Walter Franco participou do primeiro festival universitário da TV tupi, em São Paulo, com a composição “Não se Queima um Sonho”, defendida por… Geraldo Vandré!

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


cinco × 9 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>