E por falar em Anco Márcio…

E por falar em Anco Márcio…

Hoje, 21 de junho de 2013, fui ao velório do amigo Anco Márcio de Miranda Tavares. Anco Márcio. Simplesmente.  Nesse momento, lembrando-me dos nossos papos e gargalhadas divididas, percebi mais do que nunca que os nossos heróis estão morrendo. Senti. E muitos nada têm de overdose. O Coração. O AVC e outras mazelas dos tempos modernos. São essas.  Anco a sua maneira também foi um herói.

Confesso que ainda menino aprendi a gostar das coisas que Anco escrevia. Eram os tempos do bom Pasquim! Esse onde ele com muito talento e dono de um texto de humor raro neste engraçado verde-amarelo, conquistou “duas páginas”!  E com  apresentações de Ziraldo, Millôr e Cia!

Em tudo que Anco se metia, como fazia questão de dizer, se metia e fazia bem. Tudo para ele parecia fácil. O  conto, a poesia, a novela;  letra de música, peças teatrais… Nunca duvidei.  Anco no rádio era bom. No teatro também. E n escrita  um jornalista como poucos que tínhamos e hoje menos ainda temos.

Tenho fortes lembranças de nossos últimos papos. Ainda nesse ano em que ele trocou de roupa e se mudou para outra cidade, por telefone me confidenciou o desejo de voltar ao rádio. De quando em vez batia  longos papos –com esse que foi um dos mais criativos humoristas (o maior) da Paraíba do sério  Augusto dos Anjos.

Anco vivia 24 horas sorrindo de todos e, como nunca escondeu, dele mesmo. Um Mestre nessa área! Tanto que era conhecido por aqui e em alhures como o sucessor de Millôr Fernandes. Pausa.  Agora mesmo, somente emoção, tuitei do velório: “A Paraíba não tem dimensão do talento que se vai”.

E não tinha mesmo,

 Assim, com todos os defeitos, esses que ele sabia ter e deles não abria mão, Anco trocou de roupa e se mudou para outra cidade, deixando muitos “felizes” pelo fato de ele preferir sempre perder um amigo a uma piada, e outros tristes pela falta desse sujeito que apesar dos muitos defeitos era uma referência para muitos.

 Agora Anco parte, e com ele boa parte da história do Jornal, TV, Rádio parahybanos parte também.  Anco nos deixou sem escrever o seu último Romance da Cidade. Mas deixou Davi e Débora (filhos) e Gabriel (neto) para contarem a sua história.  Sim, e alguns  amigos. Poucos.

Vai com Deus, Anco!

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


+ 3 = onze

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>