esperando um médico quase godot

esperando um médico quase godot

Conto o dia: ontem. O turno? Também: tarde. Pois bem. Nessa tarde, a Rosa eu esperamos exatamente três horas e meia para – simplesmente – mostrar uns exames ao médico de plantão. Pois é. Mas não pensem os senhores que estávamos numa fila do SUS (Seu Último Suspiro). Graças a Deus!  Foi pago e muito bem pago. Só não senti que esperávamos Godot, esse que nunca veio, porque sabíamos – fomos avisados – que o difícil “Godot médico” chegaria.

Nem conversamos como os dois vagabundos de Samuel Beckett. Não dava. O tempo foi maior que o da peça. Sobrariam Atos e gestos. Quase um pesadelo. Lembro aqui que um dia disseram: “Os médicos pensam que são deuses, mas são os nossos magistrados que a certeza disso têm”. Não são.  Agora que alguns médicos/magistrados assim não pensam, mas deuses se acham, certeza disso tenho eu. E se fosse pelo Sus? Não era nem seria. Pausa. Vou me encontrar com o Godot…

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


9 + sete =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>