essas palavras antes que se desmanchem no ar da indiferença

essas palavras antes que se desmanchem no ar da indiferença

##- Manhã de sexta-feira, 15 de novembro, feriado. Dia da Proclamação da República.  A Rosa e eu seguimos para a cidade de Natal, que fica logo ali. em linha reta, 152 km; na “cheia de curvas”, como sempre acontece, 182km. Tá no Google.

 

##- Fazia um bom tempo que eu não ia à terra de Oscar Schmidt. A Rosa, creio, menos. Por que o nome de cidade Natal? Ora bolas, tá na cara e na história. A cidade foi fundada no dia 25 de dezembro de 1599. O seu – dela, da cidade – cartão de visita? As praias natalinas, famosas por aqui e alhures. Mas e daí, 1berto, o que tens a dizer sobre essas?  Sujas e feias!  Horríveis! Natal tem mar, não praias. Essas são tomadas pelas águas. E, se não bastasse, por banheiros erguidos à beira-mar e barracas velhas e sujas e feias. Horríveis são as praias natalinas!

 

##- A conclusão é que a pior – não temos, não temos – das nossas praias é melhor que a melhor lá deles. Decepção! Conheci essas praias em tempos outros, quando ainda não existiam banheiros armados à beira-mar.  Uma podridão! O banheiro?! Quatro estacas velhas enroladas em plásticos de sacos velhos de – claro – plástico. A praia? Essa é a do Meio. Mas, data vênia, as da pontas também são feias como a Biscoito do Chico Anysio. Ah, também sujas. E muito! O abandono. Essa é a marca que em nossos olhos fica.

 

## – Mas, se pulei de parágrafo, foi para falar das coisas boas que vivemos em Natal. A primeira delas, como não poderia ser diferente, foi a companhia da Rosa.  Outras não tão boas, mas considerável, o passeio e a hospedagem.  Entretanto, como nada é perfeito, o hotel de uma estrutura espetacular, cujo nome acho por bem olvidar, pois nos trataram maravilhosamente bem, afinal, pagamos e muito bem, comete erros imperdoáveis.   Exemplos?! Abrir o restaurante para o público em geral encher a pança nas primeiras horas da manhã!  Mais? O natal boa doisestacionamento, privado, onde os hospedes deixam os seus veículos e muitos os pertences, aberto também. Irresponsabilidade das grandes! Mas no final, entre o público e o privado, escapamos e muito bem.  Um final de semana excelente. Natal é uma cidade de apenas dois dias, concluímos, mais que isso é tédio.

 

## – Não posso dizer que fui próximo da jornalista Lena Guimarães. A conheci aluna do curso de Direito, sentada numa cadeira um pouquinho mais além. Batíamos uns papos rápidos. Lembro.  Trivialidades. Nunca, porém, sobre a matéria em que ela dominava melhor que o Direito. Sobretudo em se tratando de Processo Civil. Lembro.  PhotoEditor_20191001_143421277Nada a estranhar. Todos sabem que o Processo Civil é a base – podemos dizer assim – de todo o Direito. Sabendo-se bem o “Processo”, acha-se rapidamente o culpado ou inocente. Pois é. Lena, se a memória não me falha, era editora do Correio da Paraíba, e este MB colunista por aí. Estranhava o nome de “Regirlene Rolim Guimarães”, chamado na sala de aula. Regirlene… Tempos depois, embora estudando juntos por um bom tempo, soube que esse era o nome de batismo da boa jornalista Lena Guimarães. Só me resta pedir muita paz para ela. Sem dúvidas, deixou o seu nome escrito na imprensa da terrinha.

 

## – Tom Reis. São poucos os colegas de trabalho ou fora dele que conhecem a serenidade e fidelidade amiga desse sujeito singular. Eu conheço. Tudo que ele fala ou pensa está no Tom certo. As suas IMG-20191119-WA0003considerações sobre a vida e o mundo merecem sempre uma reflexão para aqueles que conhecem esse Tom como eu conheço. Afinal, muitos não sabem, são mais de três décadas de conhecimento e amizade. Tom Reis é um cara capaz de dar uma boiada para não entrar numa briga, desde que essa não seja uma “briga dele”, mas, sendo dele, entrando, oferece o restante da boiada, duas ou mais, para dela não sair. Um sujeito irascível? Nada disso:  de paz. Vive a anda com essa dentro do peito.  Sabe defender os seus pontos de vista, mas respeita sempre os alheios. Musicalmente, uma lembrança que não se pode deixar de lado:  está sempre antenado com as melhores notas, e afinado com os seus criadores. Caetano, Cazuza, Ney Matogrosso, Gilberto Gil, Gonzaguinha, Renato Russo, Cássia Eller, Maria Bethânia e outros bons, para não irmos além, são ídolos que tem muito a ver/ouvir com ele. Tom é um sujeito de predicados que o enaltecem. Outro dia, sem a pressa que nos leva à imperfeição, o descreverei melhor para vocês.

Em síntese: um amigo.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Um comentário

  1. Humberto! Vc brinca mesmo com as palavras. Crível esse texto só me orgulha ter um AMIGO como você.

Deixe uma resposta para Elziton Reis Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


2 + = quatro

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>