ESTOU SÃO! ESTAÇÃO ? INVERNO, OUTONO OU PRIMAVERA! SEMPRE BEM! VERÃO!

ESTOU SÃO! ESTAÇÃO ? INVERNO, OUTONO OU PRIMAVERA! SEMPRE BEM! VERÃO!

Nenhuma novidade chover por aqui. Dizem, porém,  que vivemos num Estado onde só existe uma estação: Verão. Mentira. Não temos doze meses de sol. Não temos nem seis.Quatro ? Tudo bem.

Pois, se assim fosse, acreditem, a estações por aqui seriam imperfeitas. Não há mais sol do que chuva nem mais Outono que Primavera. Eu gosto do sol o mesmo tanto que gosto da chuva. Descobri.

Estive na chuva nesses últimos dias. Estive na chuva na véspera de São João. Estou hoje na chuva. Pausa. Na chuva. Nada de fazenda. Nem na rua ou numa casinha de sapê. Isso somente acontece na poesia. Na música.

 A chuva nesse dia fez-me um bem imensurável. Deixou-me com aquela sensação –  se todos os dias fossem como esse – de que a chuva fez-me melhor como pessoa.

Ser melhor. Essa deveria ser uma procura de todos nós. O principal objetivo desta vida passageira. Ser uma pessoa melhor. Eu tento. Faço a minha parte. Se melhoro a cada dia ?  Repito: tento.

Nesse dia de chuva, somente chuva, nunca estive tão bem comigo! E se estou bem comigo, estou contigo e com o mundo!

A chuva cai  lá fora e um sol enorme continua  nascendo dentro de mim. Pausa. Esse sol nasceu faz tempo. Apenas o alimento para que nos dias de chuva ele não renasça com menos brilho.

Mas, com o  meu sol, isso não acontece, todos os dias o sol que nasce dentro do meu peito brilha mais forte do que esse que pelo lado meu de fora nasce todo dia.

A chuva nesse dia não lavou a minha alma! A minha alma – se tenho – não precisa ser lavada”  Se alma eu tenho não a tenho suja!  Chove chuva! Chove sem parar!

Ah, naquele dia de chuva foi somente sol dentro do peito. Aquela chuva me fez bem. Sempre me faz. Não tenho medo da chuva! Nem do sol! Faz tempo que perdi o medo deles!

Faça sol ou chuva! Se a chuva aparece, estando com o meu Sol particular, esse que carrego brilhante e brilhando sempre dentro do peito, nesse eu posso me molhar sem medo dela.

A chuva vem de onde eu não posso estar. Nem quero. Não preciso. Mesmo podendo estar com ela e de onde ela vem sem sair do meu lugar.

O meu Sol! A minha Chuva! São belos por não serem apenas meus! São deles! Que sejam sempre assim. Sendo eles e deles estarão completos.! Inteiros!  Eu os quero assim. Seja Chuva ou Sol!

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


− 2 = dois

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>