Lau Gracinha ou Cachimbinho!

Lau Gracinha ou Cachimbinho!

Meu professor e amado mano Lauro dos Santos Almeida foi o sujeito que mais criou apelidos nas pessoas. E o mais interessante é que

eu e o baiano

eu e o baiano

o apelidado ficava sempre com cognome pelo resto da vida, e atendendo, sem relutância, quando chamado era pelo “batismo” do Baiano (que outro não é senão o mano supracitado).

Veio o retorno. Não sei quem o batizou. Mas o Lau Gracinha e o Lau Cachimbinho também ficaram como marcas indeléveis no querido “Baiano” ou Lauro dos Santos Almeida! Na verdade, existem apelidos que se coadunam com as pessoas por uma característica pessoal, física ou moral.

Sujeito manco: Perneta. Nariz estilo Luciano Hulk (?), Papagaio; Nariz longo, Pinóquio ou Pica-pau; Jogador ruim. Coalhada, Perna de Pau ou Grosso; sujeito estrábico… Zarolho; Obeso, Barril, Gordo ou Gordinho; ladrão e inoperante, Sarney; Liso, Muçum ou Lula,… E por aí vai.

Porém (ai porém), existem alcunhas completamente absurdas, sem nexos ou plexus. Sem comparação ou dedução. Conheci nos velhos campos de peladas e bares de Jaguaribe, em João Pessoa, sujeitos com apelidos estranhos como, “Deztões de Cana Podre”, “Quando Quero Falo Fino, Quando Quero Falo Grosso” (ora vejam vocês!), Cacareco, Imbuzeiro, Caxambu e Dog; Dárcio Pegueite, Glugu e Sem-Pescoço, Cú de Cana é a Mãe, Camarão Pôde (sic), Guaraná, Joca Bareguedê, Cetinha (diminuto de vagina), Fuzil, Caixão, Lalau Ventinha, Tô Pôde, Guru, Picolino e outros.

Ah, o meu? Zé Minal. É que meu pai me chamava de Zé Minada. A vizinhança não entendeu e passou a me chamar… Zé Minal! Finalmente o Dapenha, graças a minha saudosa Mãe e ao Exército: “Soldado 344; Dapenha da CCS” – Isto perfilado, evidentemente, ou então era detimento na certa!

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

2 comentários

  1. Dapenha, você esqueceu de mencionar o mais conhecido e interessante(?) apelido de nosso Bairro Jaguaribe: CACHIMBO ETERNO. Nunca ouvi uma explicação para esse apelido.

    • Amigo Edvaldo; desculpe; é que só agora vim rever a matéria! Mas, segundo comentários dos mais antigos, o apelido de “Cachimbo Eterno” ao Antonio Leite de Figueirêdo, figura lendária de nosso bairro, dono da Amplificadora Poty Ltda e Presidente Vitalício do Veteté; deve ao saudoso mano Leonardo Jorge de Almeida, o Léo. Conta-se que em um entrevero o Antonio leite chamou o Léo de ignorante e o Léo repeliu: “Melhor ser ignorante que um Cachimbo Eterno”. E aí ficou. Lamentavelmente não sei o porque da comparação! Mas, te asseguro, algum fundamento havia pois, modéstia a parte, o mano era muito inteligente! – Procura saber direitinho através do lberto! abs.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


7 − = quatro

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>