Lembranças que são presentes e presentes estão nesta branca sexta-feira

Lembranças que são presentes e presentes estão nesta branca sexta-feira

LAURO DAPENHA PAULO E EUPara começo de conversa, lembrei de uma conversa que tivemos quando ele ainda vestia esta roupa que ainda visto e morava nesta cidade em que ainda moro: enquanto um lembrar o outro, lhe dizia, por mais distante que esse esteja, esse outro nunca desaparecerá. Se encantará. A eternidade não está muito longe, acrescentava nesse papo fraternal, somos eternos desde que a nossa passagem por esta cidadã esteja marcada na lembrança dos nossos.LAURO TRES

 Não adianta: o melhor lugar do mundo é aqui e agora. Não sou de viver do passado. Embora não raras vezes, por mais que não queiramos ele nos salta no presente. Tenho o maior respeito por esse. O presente.  O homem que não gosta do seu passado, é porque se envergonha dele. Eu não. Esse para mim – acho que para todos também –  é de uma importância fundamental neste presente que amanhã será passado também.

 Um sábio iluminado costumava aconselhar os seus discípulos, lembrando que não devemos viver o passado nem sonhar com o futuro. A mente deveria estar concentrada no presente. Tinha – tem ainda – ele lá suas razões. Tudo a ver com o pensamento deste MB que de iluminado não tem nada. Ou melhor: considerando que gente é pra brilhar, como cantara um dia aquele compositor baiano que hoje vive apenas do passado, sendo gente, pois é o que a gente é, a gente brilha. A lembrança é a memória dos dias felizes. Embora nunca ela nos apareça “apenas” felicidade.

  Acordei em mim nessa manhã de sexta-feira passando as lembranças em branco. Embora negro, nas sextas, a minha cor preferida. Branca. Ótimas lembranças. Mas tudo sem aquela determinação de fazer dessas um meio de esquecer os momentos difíceis porque passa o mundo. Se um dos meus dois leitores tem prestado um pouco mais de atenção nas mal-traçadas que neste plural espaço tenho espalhado, verá que são poucas as lembranças que fazem parte desse meu costumeiro espalhar de palavras e pensamentos.

Acho mesmo Insuportável essa história do “eu érea feliz e não sabia ou – como muitos agora estão adotando – sabia que era feliz”. A felicidade no passado não molda o presente. Sequer contribui para torná-lo menos real. Viver de LAURO DAPENHA 1BERTO sonhos?! Esses, lembrando um pensador que neste momento a cabeça cheia de presente não consegue o nome lembrar, todos temos uma máquina do tempo a nossa disposição. A que nos levam ao passado é chamada memórias – ou lembranças, escolham-, e a essa que nos leva para frente é chamada de sonhos. Em sendo assim, nada melhor que viver o presente e sonhar, sem fazer desses sonhos os nossos senhores, com dias melhores. Pausa. Não “apenas” sonhar, mas lutar para que os próximos dias melhores sejam.

As pessoas esquecerão o que você disse, as pessoas esquecerão o que você fez, mas elas nunca esquecerão como você as fez sentir. ” Sentiram? Pois é. Mesmo não sendo espirita nem acreditando nesse, o espírito, cheio de lembranças, mas vivendo o presente, lembrei o Chico Xavier, esse bom homem que ainda não passou. Nunca esqueceremos de tudo de bom que ele nos fez sentir. Descansas em paz, meu bom irmão.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Um comentário

  1. Muito pontual… Viva sempre a felicidade presente!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


2 − um =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>