Livardo Alves (entrevista): “uma escola de samba só de brancos é uma aberração”!
foto de 1berto de almeida: a galinha de livardo.

Livardo Alves (entrevista): “uma escola de samba só de brancos é uma aberração”!

Por Humberto de Almeida – em 17/02/2006 às 00h00

Livardo Alves era capaz de compor em vários ritmos e estilos e sair bem em todos. Um samba, uma marcha. Um baião. Não era um artista, como mesmo disse, de ficar esperando o “santo baixar”. Toda hora e em todos os lugares a cabeça de Livardo era uma fábrica musical. Vinha tudo pronto. Letra e música. O estilo livardesco, porém, inconfundível,  estava sempre presente. E esse, claro, ele sabia: era o salário!

 

@ A tua música é feita com espontaneidade. O começo foi o “Buraco do Bombeiro”. E depois?

– Ora, Humberto, foram muitas! Tantas que esqueci algumas! O Buraco do Bombeiro só ficou na memória pela sua história. Sim, e pela história do compositor. Eu achava o maior barato passar na rua e ser apontado como “foi aquele o menino que fez o Buraco do Bombeiro!” Era a realização! Imaginas  eu: um artista! Era uma festa! (torna-se todo exclamativo). Depois daí outros “buracos” foram surgindo. Tudo para mim passou a ser um buraco. Mas que fique claro que o Buraco do Bombeiro nunca teve nada a ver com o Buraco da Vida, ou melhor, com a Vida é um Buraco. O buraco sempre estava no meio (pausa). No meio, não, o buraco era mais embaixo (risos).

@ Uma constatação: já naqueles tempos estava provado que andavas preocupado demais com os buracos das ruas e da tua vida!

– (Risos). Era mesmo! O buraco sempre me preocupou. Mas acho que se fosse hoje essa preocupação seria bem menor. A verdade é que naqueles tempos os buracos eram muitos… Hoje não, Humberto, quase todas as ruas dos bairros, se não são asfaltadas, pelo menos calçadas estão.

@ Tudo bem. Aceito a explicação para os buracos. Mas esse foi mesmo o começo de tudo?

– É… Posso afirmar que foi. Embora como te falei, fiz outras coisas antes. (Para, dá mais um trago no cigarro que não largara um só momento, e pensa um pouco). Ah, lembrei! Há muitos anos eu fiz uma música para o bairro de Jaguaribe (bairro onde nasceu… nascemos) e batizei de Parabéns Jaguaribe.

@ Eu não sabia! Contas então a história dessa tua homenagem!

Parabéns Jaguaribe foi inspirada numa briga entre escolas de samba do bairro. Na época a Escola de Samba Noel Rosa (uma das que ajudou a fundar) enfrentava um sério problema com alguns dissidentes. Eles queriam deixar a escola para fundar outra. Criar a própria escola. Agora, veja que absurdo: a escola que os dissidentes pretendiam criar era exclusiva de brancos! Isso mesmo (balança a cabeça em desaprovação)! Uma escola onde somente brancos poderiam desfilar! Uma babaquice maior estava para ver! Uma escola de samba sem preto! Fosse preto não dançava! (estava todo, mais uma vez, exclamativo). E o mais interessante, faço  questão de lembrar bem, é que naquela época eu era apenas um menino, uma simples criança, mas já tinha consciência desse problema racial!  Então foi aí que resolvi fazer uma música que dizia assim (canta):

Parabéns, Jaguaribe, parabéns/Jaguaribe agora despertou/Sua escola esse ano desfilou/Avante, avante, turma boa/Você acordou bem cedinho/Deixa a má língua falar/Quem fala está com despeito/É inútil, não pode dar jeito/Mistura preto com preto/Jaguaribe não pode ter preconceito/Veja só que invenção desse rapaz/Com preconceito a minha escola não sai.

Agora, veja bem, bicho. Naquela época, final dos anos cinquenta, o preconceito era mais forte do que se possa imaginar! E eu ,menino ainda, tinha essa preocupação de demonstrar no meu trabalho a minha indignação pelo fato. Eu colocava tudo isso em minha música.

@ Tudo bem. Então quer dizer que isto foi muito antes de A Vida é um Buraco. Mas, sendo um compositor sabidamente criativo e identificado com as coisas desta cidade, do nosso carnaval, nunca pensaste em fazer, por exemplo, como fizera o Lamartine Babo que compôs belos hinos para as equipes de futebol do Rio de Janeiro, músicas para os nossos clubes carnavalescos como Dona Emília, União em Folia, Piratas de Jaguaribe, Bandeirantes de Torre e outros?

– Sabe… (para, dá outro beijo no cigarro, e continua pensativo.) Na verdade é uma coisa que ainda penso. De vez em quando esse saudosismo quase me mata. São muitas e belas as lembranças que guardo desses blocos… Os Piratas de Zumba (obs.: Zumba é o presidente dos Piratas de Jaguaribe. Ele associava os nomes dos presidentes aos respectivos clubes), União de Costeira, Filipéia de Venelipe Joaquim de Almeida (faz questão falar o nome completo). Ah, esse tem uma história super-engraçada e que não me canso de contar!

@ Se não cansas… Então conta aí pra gente ouvir (continua).

Em Tempo: amanhã vocês lerão a história engraçada, super, como disse Livardo Alves, sobre o fundador e primeiro presidente do Filipéia, clube carnavalesco que acabou como time de futebol.

(continua ainda neste caranaval)

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


um × 8 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>