Luzardo Alves : um artista que viveu em estado de graça!
chargista e cartunista luzardo alves

Luzardo Alves : um artista que viveu em estado de graça!

batmadame

Sou de Jaguaribe. Todos vocês sabem. Ou quase todos. Luzardo Alves, o chargista/cartunista que acabou de trocar de roupa e se mudar para outra cidade, era também. Não o conheci desde a mais tenra infância.  O tempo dele era mais tempo.  Não conheci desse tempo o Luzardo  nem os irmãos Livardo e Leonardo Alves. O tempo. Sempre ele.

 Livardo era um compositor popular tão criativo quanto o João do vale. O outro, Leonardo, esse que pouco ou quase nada conheci, era um excelente cantor e compositor tão bom ou melhor que ele. Não sabia. Foi o próprio – Livardo Alves – numa papo/entrevista de quase meio dia quem me confidenciou. Papo/entrevista que será espalhado num futuro “capa dura” sobre o meu bairro/rio Jaguaribe, desde já intitulado “Esse rio que navega em mim…”.

 Luzardo Alves. Esse me lembro bem. Um dia me perguntou sobre o “porquê” de nunca ter feito uma matéria com ele.  Sobre ele. A pergunta se devia ao fato de escrever alguns textos/matérias sobre o seu irmão mais próximo meu no jornal em que escrevia.  Livardo Alves. Tudo bem. Um dia escreverei. Foi a promessa.

 No outro dia, assim rapidinho como ele fazia os seus engraçados bonequinhos, todos com traços característicos, mesma família, uma página principal de um Caderno B daqui da Província das Acácias, uma BA, foi escrita  sobre o filho de Antonio e Julia.  

 Tens muitas coisas guardadas do teu tempo em “O Cruzeiro”?  Tinha.  O Cruzeiro, para que ninguém confunda com o Cruzado ou o Real era “O Cruzeiro” mesmo.  Uma revista semanal ilustrada, lançada no Rio de Janeiro, em 1928, editada pelos Diários Associados de Assis Chateaubriand. Tinha.  Prometeu trazer-me no outro dia as suas – dele – lembranças “cartunizadas ou chargeadas” (tudo bem, leia-se em cartuns e charges) naquela então famosa revista.

Fui mais explícito do que nunca: só quero ver mesmo aquelas em que as tuas charges e cartuns nela – na revista – responderam presente. Então, assim como prometeu, trouxe-me no outro dia o seu tesouro encadernado em papel capa dura, com a sua característica e famosa assinatura – eu gostava – na folha em branco que abria a sua história.

 As lembranças daquela velha e cobiçada e lida revista desfilaram pelas telas dos meus olhos curiosos. Cinema, esportes, saúde, charges, política, moda, culinário, belas mulheres e famosos galãs de Hollywood. Suas vidas e curiosidades. Uma revista feita para agradar a gregos e troianos, se esses ainda morassem por aqui.  Vi algumas charges e cartuns seus, isto é, dele.  Imaginava a época. Afinal, vocês sabem, as charges são passageiras, assim como as nossas vidas. Os cartuns não, esses são eternos, assim como a arte.

 Os traços de Luzardo eram – são – econômicos. Uma economia que se fazia presente no universo do “Grupo de risco” muito antes  do supereconômico Henfil. Em três oportunidades estive com esse –  Henfil –  e desses seus econômicos traços falei.  Redi também é econômico. . Nani também. Mas era o Henfil a minha referência de economia em traços no “grupo de risco”.

Bom, por enquanto, vou ficando por aqui.  Mais tarde ou à noite, continuarei  lembrando esse artista que recebeu, mesmo sabendo pescar, o anzol de Assis Chateaubriand, pescou poucos peixes, mas soube multiplicar o pescado como somente os bons “pescadores de arte” são capazes.

 Em tempo. Se tempo ainda vocês tiverem: outro dia. logo cedinho. ele estava no ponto de cem reis. o que restou dele. sabia que eu passaria por lá. passei. fez questão de mostrar: a página do jornal  em que este “Malabarista de palavras”  espalhou um pouco de sua arte e vida estava emoldurada.  feliz.  estava. uma bela moldura. vai ficar na minha sala. disse. ficou. ratificou o dito no outro dia. satisfeito? feliz. felizes ficamos.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


× 4 = quatro

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>