Meu Jaguaribe meu…

Meu Jaguaribe meu…

A Mata do Buraquinho parecia estar, assim como a Felicidade do Lupicínio Rodrigues, pra lá do fim do mundo. Um dia ouvi o meu amigo Livardo Alves chamá-la de “minha casa”. Uma mata de um só dono, de um negro alto e esguio chamado João Dantas!

Se não foi casa minha, foi o meu desconhecido, caverna escura e fria onde sem o Fio de Ariadne temia encontrar o Minotauro. Se não era a minha floresta encantada, só pelo desconhecido, encantava-me com ela todos os dias!

Como esquecer as jacas ainda “de vez” que Tota o meu irmão-herói que foi morar noutra cidade tirava e enterrava em local que somente ele conhecia? E quem sabendo a quem era Tota mexeria naquele tesouro?!

Mesmo que não interesse aos meus dois leitores, um dia ainda dedicarei todo um livro a Tota, o meu herói. Afinal, Tota era – e continua sendo – Jaguaribe e Jaguaribe, lembrando o resto da família, continua sendo dos nós!

Se o Tejo do Fernando Pessoa deságua no mar, o rio Jaguaribe onde as onças, belas onças matavam a sede, deságua dentro do meu peito jaguaribense! E por isso mesmo, sempre que me lembro dele sou todo água!

 

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

2 comentários

  1. Lindíssimos e nostálgicos textos. abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


2 + um =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>