O CEMITÉRIO DOS LIVROS

O CEMITÉRIO DOS LIVROS

(Um texto de J.M.Victor)

 

Num passado não muito distante e anterior a internet,  os escritores, pesquisadores e estudiosos frequentavam muito as bibliotecas. A maioria dessas pessoas também tinha boas bibliotecas em suas residências. O tempo das bibliotecas particulares está findando,  e os descendentes dos donos levando os últimos exemplares para o cemitério dos livros.

No período de estudante universitário, tornei-me  um assíduo frequentador da Biblioteca do Instituto Histórico e Geográfico Paraibano e da Biblioteca Central da UFPB. Hoje o acesso à pesquisa é bastante facilitado com o advento da internet. Só que ela não é capaz de nos fornecer particularidades, informações e preciosidades de nossa região.

A semana passada me decepcionou bastante com os dicionários que pesquisei no mundo virtual. Tive que me valer dos antigos dicionários que tenho na minha biblioteca de Patos. Foi assim que coloquei no matulão, para levar à Parahyba, o primeiro “vocabulário de Termos Populares e Gíria da Paraíba” do professor Clerot,   publicado no Rio de Janeiro no ano de 1959. E ainda levei de quebra dois dicionários do paraibano Horácio de Almeida, o “Dicionário Popular Paraibano” e “Dicionário de Termos Eróticos e Afins”. Com eles resolvo dúvidas para escrever coisas da província da Parahyba do Norte.

Tenho dezenas de dicionários na minha biblioteca, mas  vou citar apenas os que frequentemente uso: “Dicionário do Folclore Brasileiro” de Câmara Cascudo; “Dicionário Folclórico da Cachaça” e “Dicionário do Palavrão e termos Afins” do Mário Souto Maior; “Vocabulário Prático de Expressões Estrangeiras” do professor Saulo Carrilho; “Glossário Técnico de Termos do Espetáculo” do Geir Campos e tantos outros que não cabem nesse espaço.

Quando estive Secretário de Educação, Cultura, Esporte e Turismo da cidade de Patos,  inaugurei a maior Biblioteca Municipal do Estado da Paraíba. A frequência era impressionante. Tinha sala de pesquisa para crianças, adolescente e  adultos.

Como Conselheiro Estadual de Cultura (2009 – 2010),  consegui numa votação apertada,  a publicação do “Dicionário Coreográfico do Estado da Parahyba”, do Patoense João Rodrigues Coriolano de Medeiros. Não se enganem.  O “Pai dos Burros” ainda é de grande serventia.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


sete + = 15

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>