O MANDIOCÃO DE DILMA

O MANDIOCÃO DE DILMA

Sabia que um dia a presidente Dilma iria descobrir algo para deixar à posteridade. E descobriu: a mandioca! Em noite inspirada, poética até, sem rimar amor com dor e mandioca com tapioca ou coisa parecida ela saudou a nossa – a minha não, a nossa – mandioca!

- “Nós temos a mandioca, nós estamos comungando a mandioca com o milho. E certamente nós teremos uma série de outros produtos que foram essenciais para o desenvolvimento da civilização humana ao longo do século. Então, estou saudando a mandioca, uma das maiores conquistas do Brasil”.

Juro que não sabia. Juro com os dedos indicadores  cruzados que não sabia que a mandioca estivesse entre as nossas conquistas mais importantes como, por exemplo, que um “crime pequeno não compensa em nada e o grande será sempre compensador e fará dos criminosos heróis nacionais”. Pois é. A mandioca foi uma das nossas maiores conquista, disse Dilma.

 Acreditem, não estou mentindo. Não esperava nunca que a presidente Dilma gostasse tanto de mandioca. Verdade. Ela não tem cara de quem de Mandioca gosta. Nem mesmo de macaxeira. Dilma está mais para gostar de tapioca que, embora venenosa quando não tratada, é feita de mandioca.

Dilma disse que essa – a  da mandioca – era uma das maiores descobertas desse país que descoberto fora para que alguns colegas dela encobertos ou não ,  fizessem dele um “mandiocão”.  Nesse dia, inspirada, os olhos de quem acabara de pegar e tomar todas, Dilma  não ficou por aí. Afinal, ela nasceu no país do futebol, esse mesmo que levou um baile da Alemanha e perdeu de 7 x 1. E só não perde de mais porque eles, os alemães, tiveram medo de que sendo uma vergonha maior houvesse punição pela vergonha aplicada. Ah, lembrou-se da bola.

Mas Dilma não ser referiu as “bolas” que os seus colegas do Lava Jato e Mensalão receberam no campo da Petrobras e, fora dele, no seu partido . Um partido dividido entre os próprios. Deu uma aula de antropologia e sapiência.

Segurando uma bola feita com folhas de bananeira pelas índias, ela disse que “quando criamos essa bola nós nos transformamos em homo sapiens ou em mulheres sapiens”. Dizem as más línguas que um índio presente, sem entender nada, mas aproveitando o uso desse tal “sapiens” que vai virar moda,se não já virou, perguntou na ocasião:” E quando o eleitor vota ele se transforma em homo idiotiens?”

 Não sei se responderam ao pobre índio, pois Dilma estava mais preocupada em exaltar a mandioca, como se dela fosse uma apaixonada. Pois é. Decidi. De hoje em diante nunca mais me referirei a este país como o “País de Futebol. Já foi. Depois dos 7 x 1 da Alemanha e agora com a descoberta da Mandioca pela presidente Dilma somente me referirei a ele como o “País da Mandioca ou carinhosamente de “O Mandiocão”. Dilma gostar de mandioca ? Duvido!

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

2 comentários

  1. mandioca eh o q interessa o resto nao tem pressa

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


seis + 9 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>