O turbante e o personagem

O turbante e o personagem

Esse aí assistia a uma exibição livre de “filmes de caratê”. O barulho era ensurdecedor. O “dono do cinema”, esse resumido em um televisor velho, com muito azul e caixa desbotada pelo tempo abria som no seu – dele, do som – volume máximo. Atentem para a concentração do “espectador turbantando”. Ele chegou e, sem dar uma palavra, assim como os demais, parou diante do “cinema”. E assim, parado como chegou,  permaneceu usando esse turbante que não chamava outra atenção que não fosse a minha. Tanto que fotografei e aqui, sobre a fotografia e sua fantasia, traço estas mal-traçadas. Ficou assim até a minha despedida. Um adeus sequer ensinou. O filme? Ah, esse para mim era o menos importante. Ele, o “turbantado”, era o meu filme.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


+ 2 = cinco

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>