Os índios dele e os meus mortos!

Os índios dele e os meus mortos!

Dia desses, esse faz tempo, muito, voltei ver, via televisão, o bom Edilson Martins. Seria aquele mesmo? Perguntei para os meus botões hoje mais carne do que osso. Era! O mesmo que descobri nos bons tempos de O Pasquim, esse em que ainda dei umas beliscadas, menos que o bom Anco Márcio, que abocanhou, por merecimento, duas páginas naquele histórico hebdomadário.

Vi o Edilson e lembrei-me do seu – dele – “Nossos índios, nossos mortos”, um bom livro – quase escrevo “um bom livrinho” – escrito pelo referido em defesa dos nossos índios. Os verdadeiros. Vocês sabem aos quais que me refiro. Era o comecinho da “luta pela emancipação dos índios”.  O verde-amarelo tinha uns cem mil índios. Todos verdadeiros. Vocês sabem aos quais me refiro.  

Agora, nesse exato instante, estou com “Nossos índios, nossos mortos.” Sincero? Serei: estou mais com os nossos mortos. Os meus!

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


× nove = 45

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>