Postagens

EIS O JACARÉ AÍ, MINHA GENTE, COM NOME DE GENTE E HISTÓRIA!

um jacaré pensante somente alegria

Se eu começasse dizendo que Antonio David, esse artista do olhar certeiro, adentrou – parece coisa de narrador esportivo: “adentrou o gramado…” – a minha sala de trabalho perguntando se este Malabarista de Palavras conhecia Antonio Joaquim de Souza vocês não saberiam dizer quem é o personagem. O nome não me parece familiar. E não é mesmo. Por tabela, mas sem ... Leia Mais »

Um boêmio sem a memoria alcoólica

bebado-triste

Na juventude foi o que muitos podem chamar de bon vivant. Não aquele tipo Mauricinho que bebe nos finais de semana em Copacabana, e curte a ressaca em Paris. Uma libertinagem (quase escrevo “ótima” sacanagem) que hoje só acontece com os filhinhos de corruptos e ladrões que devolvem a justiça metade do que roubaram, e o restante vão curtir livres, leves ... Leia Mais »

E assim ela morreu…

morrer de amor

Nada de “morrer de amor para continuar vivendo”. Foi muito rápido. Melhor: a paixão é rápida, o amor não. Vai acontecendo aos poucos. Transformando-se.  E com ela não foi diferente: apaixonou-se.  Ainda jovem, achava que aquele  era o primeiro e único amor de sua vida. Todos sabiam. Daria tudo  para viver eternamente nesse estado de paixão. Mas um entrave à transformação dessa ... Leia Mais »

Arrrigo e maestros amigos e este escriba

arrigo barnabe e grupo

NESSE DIA ARRIGO BARNABÉ desfilou somente dor de cotovelo. Soltou a voz rouca a la Louis Armstrong. A ironia veio como marca registrada. Arrigo era só ironia.  Show do começo ao fim. O papo no camarim improvisado do Ponto de Cem Réis foi somente sorrisos e confraternização.   Aproveitamos para resgatar velhas e melódicas lembranças.  A cerveja na mão e a gravata ... Leia Mais »

Pingos

com se diz ai love iou em japonês ?

taí. uma observação lúcida como há muito não ...

pelo menos com dilma nói sofria, mas nói gozava com ela

vez em quando eu sinto faltra de dilma troca-letra ...

por que não mudar para mudar ?

mudar ? nem mudança. o brasleiro só troca de rou ...