Quando certa manhã este MB acordou de sonhos tranquilos e leu Metamorfose

Quando certa manhã este MB acordou de sonhos tranquilos e leu Metamorfose

# – vocês não sabem o que é ter a certeza de um novo e melhor amanhã. Eu tenho. Os anos passam e a o sujeito começa a ver que vale a pena ser um bom. Um bom sujeito.  Eu sou. E só não sou um sujeito melhor porque, assim como todos os homens, sou imperfeito.  Um projeto de Deus, como assim costumo dizer, que não deu certo. E, sendo assim, como homem que sou, certo eu não poderia dar.

# – disseram um dia que quando uma pessoa quer estar com você, ela estará com você. Não existirá desculpa, drama, dor de cabeça, nada. Absolutamente nada. Pois é.  Não anseio por visitas, mas gosto e muito de receber. Mas às vezes que isso não acontece, acreditem, visito a mim mesmo. Não estranhem. Precisamos vez em quando nos visitar, bater um papo com a gente e, não pode deixar de acontecer, discordar da gente.

# pois é. As visitas que tenho recebido me fazem um bem que vocês – mesmos os próprios – não imaginam. Não vou adjetivar com o adjetivo que cada um merece. Não precisa. Mas que belas e gostosas visitas de Dapenha e Cléo, Antonio David, Marta e Gil, Maria e Keila, Bruna, Rebeca, Yasmim (claro), Rafaela, Livinha, Engels, Cláudio, Cidalino, Vandinha, Paulo, Ayrton e até etecetera e coisa e tal, cujos nomes nesse momento esqueço, estiveram por aqui. Se é bom? Ótimo! Melhor que Bayer! E as mensagens? Nenhuma dúvida! Nada melhor do que ser um bom sujeito! Acham que esqueci da minha filha e a doce companheira? Ora bolas! Essas não me visitam: estão sempre comigo!

# – daqui desta sala branda e freia lembro do que acontece lá fora. Sinto falta o barulho natural das pessoas. Carros. Bichos. Mas será por pouco tempo. Está sendo. Dúvida nenhuma eu tenho. Os livros estão sobre a cama. A mesa. Debaixo da cama. De lado da mesa. Filmes e discos. Hoje nem mais. São “pendraives”. Seleção. As minhas preferidas. Ora bolas! Como poderia ficara dois ou três dias sem ouvir o Tribo Terra e, ressaltar se faz necessário, om Gil de Rosa e Marta Nascimento cantando as coisas nossas. Ela me ensinou a comer flores, Velas, Sede de ceder. Essa última uma das preferidas da Rosa. A preferida. Talvez. Escuto. Leio. Assisto. Penso. E, dessa vez, cada vez mais existo.

# –  mais um dia.  Tenho apenas que agradecer por estar aqui, escrevendo “mais um dia”. Nada tenho de Gregor Samsa. Nada. Mas não sei ainda o porquê. Talvez lembranças do menino Jaguaribe que não dormia sem antes ler cem ou duzentas páginas, O processo. Metamorfose. Tudo isso me veio à cabeça. Eu gosto e muito de Kafka.

– “Quando certa manhã Gregor Samsa acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se em sua cama metamorfoseado num inseto monstruoso. ”

Nada a ver com este MB que acordou tranquilo, pensando nos seus e ao lado de uma Rosa.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


6 − = quatro

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>