RITA DESGRAMADA é o melhor exemplo de como vai (ou vem) a nossa MPB.

EU PLURAL: Acreditem. Descobri essa mais nova “pérola” da nossa música brega da gota serena e somente brega agora. Foi por acaso. Assim como as coisas boas acontecem.

Dentro do meu alazão vermelho de casco de borracha, não estava nem aí para o que tocava em uma de nossas muitas rádios bregas. Quase todas. As exceções? As Rádio Câmara e outra. Talvez a Tabajara em raros momentos.

 Eis que de repente ou mais que de repente ouvi uma voz que deixaria o Emílio Santiago morto de vergonha: por que não aprendi a cantar a assim? Seria a sua pergunta ao vento.

O nome do artista é algo parecido com “terrível”. Nunca vi um nome cair – todos caem quando lhe escuta cantando – tão bem. Lembrei de imediato que o bom Chico, o quase genial – gênio é outra coisa, não vamos gastar o adjetivo – Chico Buarque também tem uma composição intitulada de (a) Rita. Muita gente conhece. Mas essa é apenas “boazinha” perto desse clássico.

Que beleza! Que poesia!

Todos têm os seus versos preferidos. Ninguém fica em cima do muro desse clássico que merecia cerca. Ou prisão. Olhem aí que poesia: “Que saudade desse cheiro de cigarro e desse álcool puro“! Sentiram o cheiro?  E esses versos que nasceram clássicos: “Oh Rita, volta, desgramada/Volta, Rita, que eu perdoo a facada/Oh Rita, não me deixa/Volta, Rita, que eu retiro a queixa”?

Um clássico, tudo bem. Mas eu não retiraria a queixa! Cadeia nele, que ele merece!

Não basta ler. É pouco. Vocês precisam ouvir. Então vamos lá: leiam o poema, e escutem o clássico.1berto.

Rita

Tierry

Sua ausência tá fazendo mais estrago que a sua traição
Lê, lê, lê
Minha cama dobrou de tamanho
Sem você no meu colchão

Seu perfume tá impregnado nesse quarto escuro
Que saudade desse cheiro de cigarro e desse álcool puro
Rita, eu desculpo tudo

Oh Rita, volta, desgramada
Volta, Rita, que eu perdoo a facada
Oh Rita, não me deixa
Volta, Rita, que eu retiro a queixa

Oh Rita, volta, desgramada
Volta, Rita, que eu perdoo a facada
Oh Rita, não me deixa
Volta, Rita, que eu retiro a queixa

Sua ausência tá fazendo mais estrago que a sua traição
Lê, lê, lê
Minha cama dobrou de tamanho
Sem você no meu colchão

Seu perfume tá impregnado nesse quarto escuro
Que saudade desse cheiro de cigarro e desse álcool puro
Rita, eu desculpo tudo

Oh Rita, volta, desgramada
Volta, Rita, que eu perdoo a facada
Oh Rita, não me deixa
Volta, Rita, que eu retiro a queixa

Oh Rita, volta, desgramada
Volta, Rita, que eu perdoo a facada
Oh Rita, não me deixa
Volta, Rita, que eu retiro a queixa

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


nove − 1 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>