Saiba quais são as principais doenças do couro cabeludo

Saiba quais são as principais doenças do couro cabeludo

Muitos dos problemas capilares têm cunho genético, mas hábitos saudáveis evitam a piora dos quadros

 

São várias as doenças que acometem o couro cabeludo, algumas raras e outras rotineiras nos consultórios dos especialistas. “Entre as mais comuns temos a dermatite seborreica ou caspa, a alopecia androgenética ou calvície, os eflúvios ou quedas e a alopecia areata”, afirma a dermatologista e tricologista Dra. Kédima Nassif, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da Associação Brasileira de Restauração Capilar. “A pediculose, mais conhecida como piolho, também é uma doença frequente nos dias de hoje e acomete principalmente as crianças”, acrescenta a Dra. Paola Pomerantzeff, dermatologista membro da SBD.

Como o couro cabeludo é uma extensão da pele, ele pode ser acometido por diferentes doenças. “Infelizmente, alguns desses problemas possuem um cunho genético e não podem ser totalmente evitados, mas sim controlados. De qualquer forma, uma alimentação saudável e a manutenção de um couro cabeludo limpo são capazes de combater a descamação e evitar algumas causas da queda”, afirma a tricologista. Conheça as principais doenças abaixo:

Dermatite seborreica (caspa) - Uma das principais doenças do couro cabeludo é a dermatite seborreica, mais conhecida como “caspa”. “No caso da dermatite seborreica, o couro cabeludo é acometido por descamação em diferentes graus, se torna avermelhado e o prurido é presente”, afirma a Dra. Kédima. “Essa dermatite possui alguns fatores relacionados como alteração na produção de sebo pelas glândulas sebáceas e resposta inflamatória local desregulada. A dermatite seborreica tem predisposição genética, e piora muito com ansiedade e stress”, afirma a Dra. Paola. A doença apresenta-se como áreas avermelhadas e descamativas, podendo apresentar crostas e geralmente com coceira no local. Para tratar a dermatite seborreica, é importante o uso de shampoos específicos indicados pelo médico de 3 a 4 vezes por semana. Após a crise, o shampoo pode ser utilizado 1 vez por semana para prevenção e manutenção. “Além disso, o médico pode prescrever loções e até medicações orais”, diz a tricologista.

Alopecia androgenética e eflúvio telógeno (queda capilar) – Outra patologia bastante frequente e conhecida por todos nós é a alopecia, ou seja, a queda de cabelos maior que o normal. “É habitual haver queda de cabelos diariamente. Vale lembrar que cada fio de cabelo possui um ciclo de vida: fase anágena (fase em que o cabelo cresce), fase catágena (fase de regressão, na qual o cabelo morre), e fase telógena (quando o fio de cabelo novo “empurra” o fio morto e esse cai). Portanto, para um fio novo nascer, um velho deve morrer”, afirma a Dra. Paola. Mas, quando isso ocorre de forma desordenada ou patológica, e mais fios morrem e caem do que nascem, acontece a calvície ou perda de cabelos e/ou pelos nas áreas do corpo acometidas. “Na temida calvície, os cabelos se tornam progressivamente mais finos, principalmente na região da coroa e córtex, ou seja, onde colocaríamos um boné. Assim, o couro cabeludo se torna aparente e os cabelos ralos. Dependendo da intensidade do problema há falhas importantes”, afirma a Dra. Kédima.

Existem inúmeras causas de alopecias, mas a mais comum é a androgenética (causa genética que acomete mais homens que mulheres). “Os eflúvios telógenos se manifestam por uma queda acentuada dos cabelos e redução do volume final dos fios. Já na alopecia areata há queda dos fios, formando placas sem cabelo”, diferencia a Dra. Kédima. “A importância de examinar e diagnosticar é que para cada causa existe um tratamento específico”, diz a Dra. Paola. Na alopecia androgenética são utilizadas loções tópicas, medicamentos via orais e alguns procedimentos feitos em consultório podem ser associados como microagulhamento, drug delivery e alguns lasers. Em casa é possível maior sucesso terapêutico com a associação de LED (laser de baixa intensidade). “Hoje existem bonés de LED para uso domiciliar como o Capellux, que melhora a energia das células e a oxigenação no couro cabeludo, ajudando no crescimento capilar e tornando os fios mais grossos”, diz a Dra. Kédima.

Psoríase – A psoríase, doença crônica, não contagiosa, que não tem a causa totalmente esclarecida (está relacionada com a genética, com sistema imunológico e com a resposta inflamatória do organismo), também pode acometer o couro cabeludo além da pele. “No couro cabeludo também se comporta como na pele: com presença de placas avermelhadas e descamativas. Quando o paciente coça, a descamação pode ser bastante intensa”, afirma a Dra. Paola. Infelizmente, não há um meio de evitar a doença, porém as crises podem ser evitadas com estilo de vida saudável (não ingestão abusiva de álcool, evitar tabagismo, não viver com alto nível de stress, praticar atividade física). “A exposição solar (moderada – helioterapia) ajuda a prevenir as crises dessas patologias e facilita a cura muitas vezes”, diz a dermatologista. Alguns medicamentos novos, os imunobiológicos, tem apresentado grande melhora na qualidade de vida desses pacientes.

Foliculite – Não menos frequente, a foliculite é a inflamação de um ou mais folículos no couro cabeludo. O couro cabeludo fica avermelhado, inflamado, e pode apresentar “bolinhas de pus”, segundo a médica. Na foliculite, dependendo do estágio que se encontra (mais ou menos avançada) são prescritas loções tópicas de antibióticos, e, ácido salicílico também pode ser utilizado. Antibióticos via orais são indicados em quadros mais extensos, mais avançados.

Micose – “Em crianças, e também mais raramente em adultos, pode haver o quadro de Tinha (micose do couro cabeludo). A lesão é localizada, com placas descamativas e perda dos cabelos nessa região afetada. É contagioso e deve ser tratado”, afirma a Dra. Paola. No tratamento, são utilizados antifungícos.

Pediculose (piolho) – Muito frequente hoje em dia, essa doença é causada por um parasita, o Pediculus humanus capitis, mais conhecido como “piolho”. “Esse parasita infesta o couro cabeludo da pessoa causando muito prurido. É facilmente transmitido de pessoa para pessoa, e hoje em dia, a contaminação ocorre muito mais devido as “selfies duplas ou coletivas” (as pessoas encostam as cabeças para fotografar)”, afirma a Dra. Paola. O problema pode ser evitado através da higiene e evitando encostar as cabeças nas fotos coletivas. O tratamento da pediculose se faz com antiparasitário tópico e sistêmico.

Por fim, as dermatologistas lembram que qualquer alteração no couro cabeludo deve ser examinada por um dermatologista ou tricologista capacitado para realizar diagnóstico correto e tratamento adequado. “O mesmo sintoma pode aparecer em diferentes doenças. Portanto, não faça seu autodiagnostico”, finaliza a Dra. Paola.

 

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


3 + = sete

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>