SÃO TANTAS COISAS SOLTAS NO AR…

SÃO TANTAS COISAS SOLTAS NO AR…

1 – Segunda-feira. Nada diferente do o dia de domingo. Ontem. Lembro a minha mãe dizendo que o homem não tem a capacidade de adivinhar o que vai acontecer amanhã. Se vai chover ou fazer sol? Quem sabe é Deus, meu filho! O homem não sabe nem dele! Dizia isso como se estivesse contando uma história há muito sabida pelos filhos.  A minha mãe também vendia e me ensinava a comer flores. Pisar na lua? Só com a licença de Deus! Assim era Dona Chiquinha

 

B – Pela primeira vez nesta minha vida um tanto já vivida estou ensaiando anular o meu voto. Não é me anular. Mas anular esses ex-crotos que estão por aí querendo fazer de nossas vidas um inferno. Fazendo. Melhor dizendo. Fazem.  Só em pensar naquele vereador que continua por ai zombando de todos aqueles que um dia foram visitá-lo na prisão, condenado que fora por desviar produtos alimentícios e outros de pobres e indefesas criancinhas me deixa pra lá de decepcionado.  E aquele outro que hoje não mais atuando (desviando outros bens) e me disse um dia que de pobre a única coisa que deseja é a distancia? E aquele deputado? E aquele senador? E aquele governador? E presidente? Acho mesmo que dessa vez vou anulá-los.

 

E – O Rio de Janeiro? Continua lindo!  Não naquele tom “lindo” dengoso de que fala o filho de Dona Canô. O “rio de janeiro continua lindo” do Gilberto Gil me pega bem melhor. O Rio de Janeiro tem encantamento. Simples.  E por isso tem encantado os que passam por lá. Acho que é isso. Se não for, estar perto. A praia? Se não se chamasse Copacabana e fosse querida pelo nome que tem, não seria a Copacabana que todos conhecem hoje. Ipanema e Leblon… Ipanema é uma espécie de filha querida e adorada pelos intelectuais. Por aí.  Sou fã dela também. Mas adoro Cabo Branco. E agora estou descobrindo Camboinha e Intermares.

 

R – Tenho andando sem essa de flor na pele. Muito seguro no que penso e no caminho que escolhi para seguir. Sigo. Na importa se em linha resta ou dobrando a esquerda. Sempre. Sem atalhos. Não sou de evitar o caminho. E atalho somente se esse não existir. Mais: caso o caminho que desejo não exista, abro-o no primeiro passo. Somente eu sei que passa comigo. Somente eu sei que passa por mim. Às vezes chego a pensar que Deus não é tão amigo meu quanto esperava. Algumas vezes. Outras sinto até que ele senta ao meu lado e pede calma. No final verás que estás apenas começando.  Tudo bem. Nada contra Deus. Nunca. Apenas continuarei acreditando que o homem foi o seu projeto mais ambicioso e que – infelizmente – não deu certo.alto um

 

T - Lembro o meu pai chamando a atenção de um dono de um burro que esse burro espancava. O motivo. Ele queria saber o motivo do espancamento. O dono do burro explica em sua forma burra de ser: ele me deu um coice. E o meu pai, sem alterar a voz rouca que o caracterizava, balançando a cabeça, foi rápido na resposta: o carroceiro não poderia esperar de um burro um beijo.  O coice é próprio dos burros. Ninguém pode esperar que o coqueiro que dá coco do Ary barroso desse um dia jaca ou graviola. Os burros são assim. Por mais que você faça por eles, não espere deles um beijo. É assim como os ingratos: só a ingratidão esses tem para dar.

 

O – Vem por aí o nosso – com o Francci Lunguinho, poeta-designer responsável pelas cores das frases – “Arte & manhas das palavras”. Frases. Picles. Aforismos. Sim. Muitos. Aforismos. Aforisma é outra coisa que na cabe – ainda – dentro de aforismos cheios de graça e sem muitas palavras. A ideia nem foi minha. Nem nossa. Isto é, do poetamigo Francci e deste Malabarista de palavras. Solha. O mestre Waldemar Solha. O seu olhar clinico e a vasta visão. Nem pensava. Confesso. Nem pensávamos. Uso o plural sem assumir a confissão do excelente ilustrador e poeta e artista gráfico Francci Lunguinho. Mas essa com certeza também seria uma confissão sua.  Somente sei que vou em frente. O caminho? Esse nós fazemos. O resto? Ah, o resto é atalho! E esse não precisamos pegar!alto tres

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Um comentário

  1. bom dia,

    Boas divagações que o poeta faz, sobre vários temas,
    como sempre nos fazendo refletir a vida!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


seis + 4 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>