… tem dias que nos afogamos de lembranças.

… tem dias que nos afogamos de lembranças.

Vejo o mar. Vejo-me no mar. Acabei de receber essa foto onde o mar navega em mim. Sem problemas. Não sou lá muito profundo. Não somos. Mas é na superfície que muitas vezes nos afogamos de… lembranças. Foi o que aconteceu. Tudo captado pelo olhar cheio de vida da Rosa. Afoguei-me nelas (nas lembranças).  Se a tranquilidade do mar (ele disse “água”) permite refletir as coisas, o que não poderá ahumberto natal picasa tranquilidade do espírito?  Chuang Tzu disse. A pergunta foi dele. A China pariu bons filósofos. Mas nesse momento a filosofia não está com eles.  Solta no ar. Está. Assim como a música. Afogo-me em lembranças. As vezes dói. E muito. Como agora. Outras vezes deixam (as lembranças) mais leve a vida que levo.  A vida? Não devemos fazer dela um rascunho. Amanhã poderá ser tarde para passá-la a limpo. Mario Quintana.  Foi ele, o meu poeta. O meu olhar está triste? Talvez. Mas triste mesmo é aquele que não pode olhar, nem ver que num piscar de olhos a vida se foi.  Pausa.  Irei piscar menos.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


3 + oito =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>