Teremos de ser destruídos?!

Teremos de ser destruídos?!

No principio, era quase nada: sabia-se as horas e alguns números de telefone, um samba de Ary Barroso e quando terminariam as aulas. Quase nada. Mas a pressão interna aumentou na medida em que fomos mártires do cotidiano. E, em breve, havia mais temas nas conversas noturnas.

Soubemos quem era o responsável pela desgraça do país. E quem se aventurava a uma postura messiânica. Começamos a nos interessar por poesia e pela biografia dos “santos”. Iniciamos correspondência com algumas autoridades (as que aceitaram o jogo…).

Já não era como no princípio: sabia-se as horas e, também, que o mundo não se divide entre mocinhos e bandidos. O mundo se divide em 7 bilhões de mundanos. Descobrimos. Isto descobrimos.

E fomos acumulando conhecimento: embaixo das camas, na gaveta das camisas, no bolsinho das moedas. Começamos a brilhar, uns para os outros, como as estrelas de cinema. E trocamos nossos nomes profanos por outros mais respeitáveis.

E fomos acumulando conhecimento. Havia carregadores de informações, como no cais do porto, e um grande estômago para tudo digerir. Havia grandes ventiladores pendurados no teto, apenas para distrair os nossos suores. Havia quem se penalizasse. Quem chamasse os Bombeiros. Quem chamasse a polícia. Quem chamasse o ladrão. Quem chamasse o hospício…

Mas fomos acumulando conhecimento, e tanto e sempre e com tal zelo, que cada gota era um oceano e cada centímetro uma volta ao mundo. E, então, a bem da humanidade poder dormir o seu sono ignorante, tivemos de ser destruídos.

Tivemos de ser destruídos…

Tivemos de ser destruídos.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


− 2 = zero

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>