o tempo guardado no banco

o tempo guardado no banco

banco da empresabanco de praça ? não. um banco fora da praça. essa é a primeira visão depois dos raios de sol que caem todos os dias no meu quintal. o clima é de quem não espera que a manhã se vá para se fantasiar de  luz para o dia seguinte.

olho o banco e nele me vejo sentado  a contar o tempo que não passa e no entanto eu envelheço. uma vida cheia de altos – mais altos – e baixos. notas graves e outras agudas. os altos são graves. baixos.

o meu pai tocava clarinete.  o seu banco era lá no alto. sonhava.  dona chiquinha também. sonhamos. de que matéria é feita os nossos sonhos ?

no banco continuo sentado. continuamos.  o tempo passa por ele. nós também. tergiverso. divago. no banco vou continuar sentado.

fora dele o tempo passa.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


um × = 6

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>