Como terminou a vida do nosso playboy-mor Jorginho Guinle ?

Como terminou a vida do nosso playboy-mor Jorginho Guinle ?

Eu Plural: um texto interessante escrito por Paulo Alberto Jose, sobre o nosso playboy- mor Jorginho Guinle

Ele morreu de velhice depois de gastar todo seu dinheiro em diversão, basicamente. Uma vez, ele disse que perdeu todo o seu dinheiro porque pensava que duraria cerca de 70 anos, mas só morreu aos 88.

Na verdade, ele deixou de ser bilionário depois que sua família perdeu a concessão do Porto de Santos em 1972. Ainda era muito rico há anos, mas não tinha mais uma fonte fixa de renda.

Nos últimos anos, depois de vender tudo o que tinha, morou de graça – como um favor – no Copacabana Palace, famoso hotel de luxo que antes era propriedade de sua família. Ele recebia uma pensão muito pequena do governo e trabalhava como guia turístico e às vezes aparecia em anúncios.

Eu conheço pessoas que o conheceram e me disseram que ele ficaria feliz em pagar as contas de outras pessoas em restaurantes e casas noturnas e fazer coisas como enviar caminhões cheios de flores para mulheres por quem estivesse interessado.

Ele não tinha arrependimentos, entretanto. Sua vida foi bem vivida, ele estudou filosofia em Paris namorou atrizes famosas de Hollywood (incluindo Marilyn Monroe e Rita Hayworth), conheceu e fez amizade com seus músicos de jazz favoritos, que ele voaria para o Rio para ir a suas festas.

Não só isso, ele teve um papel semi-oficial durante e após a Segunda Guerra Mundial como um elo de ligação entre os Estados Unidos e o Brasil. Ele foi convidado por Nelson Rockefeller, trabalhando para o governo dos Estados Unidos, para ajudar a influenciar o Brasil para o lado americano e longe da influência dos nazistas.

Enquanto isso, ele também trabalharia para o governo brasileiro espalhando a palavra nos Estados Unidos sobre o Brasil e o Rio de Janeiro. Ele aconselharia os estúdios de Hollywood sobre o Brasil, consertando roteiros que mencionavam o país e assim por diante. Ele foi colega de quarto de Errol Flynn e festejou com Orson Welles, Howard Hughes e Ronald Reagan.

Um personagem fascinante. As pessoas dizem que ele era uma pessoa genuinamente legal, interessante e sensível, não apenas um playboy chamativo. Eles não fazem mais playboys assim.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


× seis = 42

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>