drummond, o sentimento do mundo dele, e este sentimental sujeito!

drummond, o sentimento do mundo dele, e este sentimental sujeito!

Eu plural: confesso que ainda pensei em deixar algumas mal-traçadas aí ao lado sobre essa bela e inesquecível lembrança do poeta em estátua. pensei. mas por mais que eu dissesse, considerando que quase sempre diante de algumas situações  não consigo dizer nada, diria muito pouco. lembro apenas dizer um dia que um dia ao lado desse poeta em estátua estaria. nada mais. achava muito ele a descansar na famosa calçada de copacabana. estaria um dia ali. disse para os meus botões mais carne do que osso e sedentos de poesia.  e estive. lembro dia e hora. lembro tudo. mas achei – depois de todo esse nariz de cera – que o seu “sentimento do mundo” diria tudo que nesse momento – nem em outro – eu conseguiria. assim, espalhe-se o poema. fala, poeta! – 1berto de almeida.

SENTIMENTO DO MUNDO


Tenho apenas duas mãos
e o sentimento do mundo,
mas estou cheio de escravos,
minhas lembranças escorrem
e o corpo transige
na confluência do amor.Quando me levantar, o céu
estará morto e saqueado,
eu mesmo estarei morto,
morto meu desjeo, morto
o pântano sem acordes.

drummond e eu no rio PICASA
Os camaradas não disseram
que havia uma guerra
e era necessário
trazer fogo e alimento.
Sinto-me disperso, anterior a fronteiras,
humildemente vos peço
que me perdoeis.Quando os corpos passarem,
eu ficarei sozinho
desafiando a recordação
do sineiro, da viúva e do microscopista
que habitavam a barraca
e não foram encontrados
ao amanhecer
esse amanhecer
mais que a noite.

 

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


+ sete = 12

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>