o velho diário do (meu pai) compadre heráclito

o velho diário do (meu pai) compadre heráclito

pelé e paiTenho em mãos um velho diário do meu pai Compadre Heráclito de  Almeida. Nele encontrei muitas verdades e ótiimos conselhos. Um belo diário! Um velho e belo diário esse do meu velho pai! Nele vejo que  sua grafia é bela. Uma caligrafia ele tinha.   Nos seus tempos era assim. Nem se precisava dos velhos (ele vem de outras eras) e bons cadernos de caligrafia para se   ter uma ”grafia” bonita. Essa vinha com eles. E o meu pai tinha uma. 

 Lembro que o seu diário – agenda, agenda –  era guardado embaixo de sua cama feita de madeira-de-lei.    Assim como guardado era  o seu  velho e pequeno dicionário de Aurélio Buarque. Pausa.  A lembrança do pequeno dicionário, tenho certeza; agora se do Aurélio Buarque ou Antônio Houaiss, fica a dúvida.

 No seu diário  ele costumava anotar tudo o que acontecia com os seus. E o palco era a  feliz casinha da Rua São Sebastiao. Foi numa  época em que deixamos por alguns anos o nosso Jaguaribe,  e fomos  morar no bairro da Torre. História também muito interessante – para mim em espeical – que um dia ainda neste espaço contarei.

Mas como  eu dizia,  tenho em mãos (assim mesmo) a sua bem escrita agenda-diário,  sucinta, lembrando os dias em que o meu Compadre Heráclito de Almeida ainda morava por aqui, e vestia esta roupa que ainda hoje visto.   Sabia – agora sei mais ainda – que  o meu pai escrevia pouco. Sabia também que  tinha um poder de síntese admirável. No seu diário,  os conselhos por ele  escritos eram dados de forma despretensiosa.  Também  vejo que ele  nunca citava os nomes daqueles  para quem os mesmos eram dirigidos.  

 Na maioria dos conselhos  se percebe que ele tomava alguém como exemplo, para aconselhar – sem pretensão ainda- todos os que deles necessitavam. E todos para  alguém melhorar como ser humano, como pessoa. A letra parece desenhada. Isso mesmo: o meu pai  escrevia com   aquela letra bonita que a gente vê nas antigas cartas de amor.  Leio no seu diário:

- “O que somos? Nada. Viemos do nada. E como nada passamos ainda um pequeno tempo na ilusão pensando ser alguma coisa.  Depois voltamos para o nada.”

Não estranhem o pensamento do meu pai, porque eu nunca estranhei.  Sem nada a ver com fato de ser o seu filho.  Também vou logo avisando que o meu pai não era niilista. Ele nunca me disse nem escreveu, por exemplo,  que a existência humana não tinha sentido. Pois, se assim o fizesse, convenhamos, já seria uma boa pista.

 O meu pai nunca lera Nietzsche, tenho certeza. Também unca ouviu falar em Zaratustra. N’ecce homo? Nunca! Não achava, assim como Nietzsche, que a existência humana não tinha qualquer propósito divino. Apenas escreveu o que pensava naqueles dias em que os males eram outros e o coronavírus existia apenas em filmes de ficção.

Mas o meu velho e sábio pai tinha lá suas razões para assim pensar e escrever: “Voltamos ao nada“. Pausa. Agora depois de anos de sua mudança para outra cidade, vem o  bom Belchior , e  vaticina:  “Ainda somos os mesmos e vivemos como os nossos pais”.

Nenhuma dúvida. Estamos caminhando para o nada! Tinham razão o meu pai e o Belchior: vivo ainda como ele, isto é, como o meu pai.  Pausa. E com ele também.  

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


− 4 = quatro

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>