Poemão de ano novo

Poemão de ano novo

Por Anco Márcio – em 04/01/2008 às 00h00

 

 

 

Acordei no ano novo, mais cedo

É que eu estava com um horrível medo

Daquele medo que se grita e berra

Que os marcianos tivessem invadido a Terra…

 

Mas que tristeza, caro irmão…

Que bruta decepção!

! Fiquei tristinho… O mundo estava igualzinho!

Tinha me dito que em 2008 Tudo ia mudar…

Mas que nada… Tudo estava em seu lugar…

 

Ouvi tanto estrondo à zero hora…

que pensei: o mundo deve estar indo embora!

Nada aconteceu, no entanto, de novo…

Minha galinha preferida pôs um ovo

 

O galo nem sabe que o ano passou…

E o gato no quintal faz um solene cocô…

Afinal de contas pra que mudar de ano?

Só pro ano velho entrar pelo cano?

 

Não vi nenhum camelo, nem nenhum dromedário…

Vi somente o numero oito no meu novo calendário…

Continuam matando, continuam roubando continuam assaltando…

Ontem mesmo uma bala perdida matou um pivete,

por favor, tragam de volta o bom dois mil e sete!

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


7 − dois =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>