Procura-se desesperadamente um caboclinho desaparecido!
Anco Márcio: Um texto sempre atual e o melhor destas plagas

Procura-se desesperadamente um caboclinho desaparecido!

Eu Plural: mexendo nos meus alfarrábios escritos e guardados onde todas essas coisas feias – a palavra “alfarrábio” é horrível! – não deveriam ser guardadas, isto é, no bolso da memoria ou na gaveta das caixas de mensagens, encontro esse bem humorado – como sempre – texto de Anco Márcio, inspirado no roubo de um velho caboclinho que hoje deve estar no cemitério dos passarinhos. Anco era sem dúvidas o melhor texto de humor destas plagas e um dos melhores de plagas outras. Não tem jeito. Sempre atual. Sempre inspirado e o bom humor respingando em cada palavra e se derramando pelas linhas e entrelinhas dos escritos. Ah, que continues assim, Anco, por aí o sorriso deve ser bem-vindo! – 1berto de Almeida

O caboclinho roubado

 

Por Anco Márcio – em 15/09/2006 às 00h00

Você viu um caboclinho por aí? Eu nem sei de que cor são os caboclinhos, eu só ouvi o seu canto. Ele deve estar com uma sensação enorme de liberdade e meio desenturmado, pois morou longo tempo na casa de Humberto Almeida. Eu sei que tá errado colocar pássaro em gaiola, mas se deixar solto, eles fogem.

E pelo que sei o ladrão de passarinho, levou o caboclinho com gaiola e tudo. Certamente que não foi para soltá-lo, o meliante deve estar querendo vendê-lo, pois vivendo na casa de Humberto, ele deve estar gordo, roliço, de tanto alpiste, painço (é assim?) e alface. Vez por outra uma fatia de mamão (ou não?)…

Já olhei nas árvores daqui da praça onde as pessoas costumam passarinhar (te peguei! Procura no Aurélio!) e encontrei apenas uma sabiá que não sabia onde andava o marido, um canário da terra, sem terra, querendo invadir o INCRA, uma lavadeira sem roupa pra lavar, um galo de Campina que não torce pelo Treze e uma rola mole querendo um comprimido de Viagra.

Esse caboclinho vivia no terraço da casa de Humberto e não fazia mal a ninguém… Só fazia cantar( e caboclinho canta…?Eu sou completamente ignorante em matéria de passarinho…) .Aliás, pássaro nunca fez mal a ninguém, só mesmo as aves de mau agouro que só existem na ficção.

Pois bem. Você que entrou sorrateiramente na casa de Humberto, aproveitando o fato de Roth estar dormindo, se não quer devolver o caboclinho, pelo menos crie o pobre bem, dando comida e água em abundância. Passarinho também toma banho sacudindo as asas, disso eu sei…

Ontem pela manhã dei uma ligada pra Roth e ele atendeu o Celulauau, puto da vida: “Companheiro (é maneira de falar, Roth nunca entraria para o PT) eu tava com a cachorra lá atrás. Se eu estivesse aqui esse ladrão de passarinho tinha passado maus bocados”, e em Roth eu acredito piamente… Quem é doido de discordar de um Rothweiller?

E não me venham com essa história de que o caboclinho voou com gaiola e tudo… Por mais forte que ele seja, não consegue essa proeza. Essa história de voar com gaiola e tudo é conselho que os psiquiatras dão para quem tem síndrome de pânico, uma frase feita, coisa de psiquiatra mesmo.

Mas por via das dúvidas, se passar um caboclinho, digo, uma gaiola, voando por perto de você segura a bicha (a gaiola!) que dentro dela deve estar o caboclinho sumido. Devolva então pra Humberto que depois de sua rola (epa!) o pássaro que ele gosta mais é o caboclinho. Vão-se os anéis, ficam os dedos. Pior seria se tivessem levado a rôla.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


sete × 4 =

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>