Um  hino ao silêncio

Um hino ao silêncio

 Um hino ao silêncio, o mais profundo dos silêncios,  gostaria de  compô-lo. Não ao silêncio lá fora que obrigasse os pardais a se calarem, as árvores e não roçarem folhas ou impedisse o acesso às ruas a todos esses Hondas, Vectras e Corollas. Deixar a vida lá fora: ela é todo o amparo de si mesma, ela não é inimiga do silêncio em mim.

 Pois é este silêncio cantável, é esta a espécie de silêncio que ergueria o meu hino.  Se o tivesse. O silêncio de mim. O silêncio dos meus olhos sem eletricidade; o silêncio da minha mente viva sem tensão; o silêncio das coisas acontecendo e eu vendo essas coisas acontecerem…

 Quero o silêncio (e um hino para ele) de poder ver as coisas acontecendo e não sofrer por vê-las pouco ou muito. Não sofrer escassez ou excesso. Não me desequilibrar por ser sensível

 Quero o silêncio das mãos que não avançam sôfregas sobre os prêmios; o silêncio dos pés que não recuam temerosos ante ameaças ou desconhecimentos.

 Quero o silêncio de estar, simplesmente, estar comigo, estar em mim, estar agora e estar sempre. O silêncio que se não abre portas porque não existem portas para o que é pleno; o silêncio que não fecha portas porque o que é pleno não precisa se esconder.

 Quero o silêncio das coisas (minhas) seguras porque estão livres. E quero conhecer a liberdade dentro de meu silêncio.  Não propriamente para compor um hino – mas para saber compô-lo, caso o queira…

humberto autografando livro

Compartilhar...Share on FacebookTweet about this on Twitter

Um comentário

  1. Maravilhoso, poeta.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


+ 2 = três

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>