Condenada por matar estuprador. Motivo: uso excessivo de legítima defesa

Condenada por matar estuprador. Motivo: uso excessivo de legítima defesa

Uma mexicana foi condenada a seis anos de prisão por se defender de um homem que a estuprava. Na ocasião, que aconteceu no município de Nezahualcóyotl, Roxana Ruiz terminou matando o criminoso e sendo acusada de homicídio. Nesta segunda-feira (15), o Tribunal Estadual do México concluiu que, embora a mulher tenha sido violentada sexualmente, ela teve um “uso excessivo de defesa legítima “.

De acordo com o New York Post, os advogados de Ruiz rapidamente classificaram a decisão como “discriminatória” e prometeram apelar, argumentando que ela estabelece um mau precedente em um país atormentado pela violência de gênero. [A condenação] envia a mensagem para as mulheres que a lei diz que você pode se defender, mas apenas até certo ponto”, disse Ángel Carrera, advogado de defesa de Ruiz. “Ele te estuprou, mas você não tem o direito de fazer nada”, continuou o representante.

Ativistas dos direitos das mulheres também condenaram a decisão do tribunal, afirmando que ela exemplifica o trágico histórico do México em responsabilizar as vítimas pelo estupro. Do lado de fora do tribunal, as apoiadoras carregavam cartazes e gritavam “Justiça!”. A própria Roxana enviou uma mensagem para seu filho de quatro anos: “Meu filho, espero vê-lo novamente. Espero ficar com ele, ser aquele que o vê crescer”.

 

Além de sua sentença de reclusão, a mulher de 23 anos também foi condenada a pagar mais de US$ 16 mil (cerca de R$80 mil, na cotação atual do dólar) à família do homem que a estuprou.

Na luta que se seguiu, a mulher pegou uma camiseta e a usou para estrangular o agressor. Mais tarde, ela colocou o corpo do homem em uma sacola e o arrastou pela rua até ser parada pela polícia e presa em flagrante.

 

Segundo seu advogado, Roxana relatou o estupro, mas nenhuma perícia física foi feita na vítima. Em vez disso, um policial teria dito que ela provavelmente queria fazer sexo com o homem, mas depois mudou de ideia. “Lamento o que fiz, mas se não tivesse feito, estaria morta hoje”, apontou Ruiz em uma entrevista no ano passado. “É evidente que o Estado quer nos calar, quer que sejamos submissas, quer nos trancar dentro de casa, quer nos matar”, acrescentou.

A mulher passou nove meses na prisão pelas acusações até um tribunal lhe conceder liberdade condicional. Agora, ela tem 10 dias para recorrer da decisão.

Compartilhar...Share on FacebookTweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


− seis = 3

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>