Pedreiro transforma Uno em Lamborghini e faz sucesso no interior de MT

Pedreiro transforma Uno em Lamborghini e faz sucesso no interior de MT

“A documentação do Uno ainda não está pronta, então eu deixo mais na porta de casa mesmo”, explica Edimar Goulart

 

O chão de terra batida das ruas do bairro popular de Cidade de Deus 1, em Rondonópolis (MT), a 218 km de Cuiabá, certamente não são o terreno apropriado para curtir os 700 cavalos de um carro esportivo como a Lamborghini Aventador, que tem o preço estimado em cerca de R$ 3 milhões.

Um Fiat Uno 2002, por sua vez, pode circular por ali sem maiores problemas, embora deixe um pouco a desejar no visual e na potência quando comparado com seu conterrâneo de luxo.

O pedreiro Edimar Goulart, então, decidiu unir o útil ao agradável e criou o “LamborgUno”, um híbrido caseiro dos dois, feito a partir de isopor e massa acrílica.

“Sempre gostei demais do Lamborghini, mas aqui em Rondonópolis não existe nenhum”, explica Edimar, que ganha a vida fazendo bicos como pedreiro e colocando papéis de parede. “Como eu não tinha condições de comprar um, acabei fazendo um artesanal mesmo”.

“Acharam que eu estava maluco, que estava estragando o carro”, lembra Edimar, que levou um ano e gastou cerca de R$ 3 mil na reforma. “Mas hoje todo mundo admira e quer tirar foto”.

Por enquanto, os admiradores ainda precisam se contentar apenas em olhar o possante. “A documentação do Uno ainda não está pronta, então eu deixo mais na porta de casa mesmo”, explica Edimar, que também aponta certas particularidades como empecilho aos passeios com o veículo.

“Ainda preciso passar uma resina de fibra de carbono ou de poliéster nele. Do jeito que está, se andar muito, trinca”, explica.

O interior e o motor do veículo preservam os aspectos do carro original, o que não é de todo ruim. “O motor é economicozinho, mas não pode andar muito rápido não”, diz.

Apesar de não andar muito, o “LamborgUno” certamente passaria no teste proposto pelo fundador da marca, o italiano Ferruccio Lamborghini.

Reza a lenda que o empresário costumava dirigir os protótipos da marca lentamente pelas ruas, prestando atenção aos pedestres para ver se eles se viravam quando o carro passava. Se não o fizessem, o automóvel simplesmente não era bonito o bastante.

Em Rondonópolis, não há dúvida. O “LamborgUno” vira cabeças por aí. Com informações da Folhapress.

Compartilhar...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*


7 + = dez

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>